Stock Car

Cacá destaca “bom começo” de temporada e acelera na Europa nas férias da Stock Car: “Bom para se manter em atividade”

Entre os eventos com patrocinadores e a viagem aos Estados Unidos para acompanhar a Indy e ver a família, Cacá Bueno também vai aproveitar o tempo de férias da Stock Car para cruzar o Atlântico e disputar a etapa de Hungaroring do GT Open ao lado de Ricardo Baptista, bicampeão da Porsche Cup, a bordo de um Mercedes. O pentacampeão da principal categoria do automobilismo brasileiro fez um balanço da primeira parte da temporada ao GRANDE PRÊMIO
Warm Up / FERNANDO SILVA, de Santa Cruz do Sul
 Cacá Bueno (Foto: Bruno Terena/RF1)

O sentimento de Cacá Bueno ao comparar sua forma na primeira parte da temporada 2018 da Stock Car na comparação com a mesma fase do ano passado é de satisfação e positividade. Em um 2017 que marcou sua transição para a Cimed depois de nada menos que oito anos vitoriosos correndo pela Red Bull e chefiado por Andreas Mattheis. Não foi uma temporada fácil, ao contrário. O maior vencedor em atividade na Stock Car viveu um raro ano sem vitórias. Mas Cacá voltou mais forte em 2018, emendou bons resultados e regressou ao topo do pódio na esteira de um fim de semana bastante forte no Velopark. O campeão estava de volta.
 
Ao GRANDE PRÊMIO durante a etapa de Santa Cruz do Sul, Cacá fez um balanço do seu desempenho na primeira parte do campeonato antes das férias de dois meses e meio da Stock Car em razão da Copa do Mundo. Mas neste tempo, Bueno vai ter pouco tempo de descanso. Entre os compromissos com patrocinadores, a viagem para visitar familiares nos Estados Unidos ou acompanhar a etapa da Indy em Elkhart Lake, o piloto não vai viajar à Rússia, mas vai cruzar o Atlântico. Tudo para voltar a acelerar na Europa após três anos como parceiro de Ricardo Baptista na etapa de Hungaroring do International GT Open.
 
No motorhome da equipe Cimed, Cacá ressalta a evolução significativa em relação ao ano passado. “Se eu fizer um balanço em relação ao meu histórico, não é um começo brilhante de temporada, mas é bom. Mas se fizer uma relação com o campeonato do ano passado, então é muito bom, não só em pontuação, mas também em performance”, salientou o dono do carro #0, que listou as corridas que disputou antes da etapa de Santa Cruz do Sul. No interior gaúcho, o carioca, que completa 42 anos no próximo dia 24, não viveu uma jornada feliz e abandonou a rodada depois de um incidente que envolveu também Vitor Genz e Bruno Baptista.
Após um hiato de quase dois anos, Cacá Bueno voltou a vencer na Stock Car no Velopark (Foto: Bruno Terena/RF1)
“São Paulo era uma corrida de duplas, então era difícil medir a força de cada um, mas cheguei a estar em segundo lugar quando estava no carro, entreguei o carro em terceiro e a gente teve um problema de motor, ficamos fora da pontuação”, lembra Bueno, que compartilhou o volante com o convidado ilustre, Felipe Massa. 
 
“Em Curitiba não estive tão forte, mas mesmo assim fiz um sétimo lugar na primeira prova e um segundo na outra corrida, pontuando muito bem. No Velopark fomos bem em todos os treinos, rápidos na chuva, rápidos no seco, como foi na corrida 1. Os candidatos [ao título] estavam todos lá, e estava bastante rápido. Na corrida 2, não fomos assim tão fortes, mas andamos bem. E em Londrina talvez esperávamos um pouco mais. Mas é muito fácil analisar o campeonato só com o resultado da corrida. Faltava uma volta para a janela [de pit-stops], e eu e o Thiago Camilo tínhamos aberto já 5s para o restante do pelotão, então dificilmente o resultado não seria uma vitória do Thiago e um segundo lugar meu, e saímos de lá com bons pontos”, explicou.
 
“Onde não fomos tão rápido consegui brigar por vitória na segunda corrida e estar entre os dez da primeira. Onde era rápido, briguei por vitória na primeira corrida. Isso é um desempenho muito bom, incrivelmente melhor que o do ano passado, mas não ainda o que a gente espera: o que esperamos é um desempenho competitivo em todas as primeiras baterias, que são as que valem mais pontos. Mas a gente está encontrando um caminho. E mesmo quando não fui, um companheiro meu foi [competitivo]. Como equipe, estamos mais fortes em relação ao ano passado, ainda não o ideal, mas estou gostando do nosso campeonato”, complementou Cacá que, com uma vitória, dois pódios no total e uma pole, soma 80 pontos e aparece em sexto no campeonato. O líder e atual campeão, Daniel Serra, soma 152.
Cacá segue para a Europa. Mas não necessariamente para a Rússia, onde está o pai, Galvão Bueno (Foto: Bruno Terena/RF1)
O pentacampeão segue para a Europa nesta semana para correr ao lado de Ricardo Baptista, bicampeão da Porsche Cup, a bordo de um Mercedes. Além desse compromisso em Hungaroring, Bueno volta ao Brasil para correr ao lado do amigo Sylvio de Barros na etapa de endurance da Porsche Carrera Cup em Interlagos. Ou seja, as férias de Cacá não significam, necessariamente, ficar todo esse tempo longe das pistas. Seja aqui ou lá fora.
 
“Tenho uma corrida do GT Open na Hungria. Vou correr lá com o Ricardo Baptista em 8 de julho. E ainda vou fazer o Endurance da Porsche Carrera Cup em Interlagos, com o Sylvio de Barros, no dia 28 de julho. Então a gente acaba se mantendo em atividade de alguma maneira, de forma que não vamos ficar parados o tempo todo. Vou correr em dois carros muito parecidos com a Stock Car”, comentou o piloto.
 
“Em Interlagos, que é a nossa casa, e na Hungria, que é um autódromo difícil, completo, com o campeonato num bom momento... Não é o principal campeonato de GT da Europa, o Blancpain é o principal, mas é o segundo principal e vai ser bom para se manter em atividade”, finalizou Cacá Bueno.

A Stock Car retoma a temporada 2018 no próximo dia 5 de agosto com a disputa da Corrida do Milhão, em Goiânia. O GRANDE PRÊMIO cobre o campeonato ‘in loco’.
LISTRAS LISÉRGICAS

COM CHICANE E CORES POLÊMICAS, PAUL RICARD DIVIDE OPINIÕES