Cacá lidera dobradinha da Red Bull, vence corrida tensa em Brasília e reassume ponta da temporada

Cacá Bueno conquistou sua 31 vitória na Stock Car. A prova foi encerrada sob regime de bandeira amarela por conta de um fortíssimo acidente com Diego Nunes. Daniel Serra terminou em segundo e Thiago Camilo completou o pódio. Rubens Barrichello foi o quarto

A realização da quinta etapa da temporada 2013 da Stock Car, no anel externo do circuito de Brasília, encerrou um dos finais de semana mais tensos da categoria nos últimos tempos. Depois de um sábado caótico e repleto de interrupções por conta de uma reforma mal feita nas zebras do circuito candango, o domingo (2) foi igualmente complicado. A corrida foi marcada por uma controversa punição imposta ao então líder Marcos Gomes e teve nada menos que quatro intervenções do safety-car, duas por fortes acidentes. Cacá Bueno, que ficou livre das confusões do início ao fim da prova, encerrada em bandeira amarela, venceu em Brasília e reassumiu a liderança da temporada, com 97 pontos.


O resultado foi bastante importante para a Red Bull, que completou dobradinha, com Daniel Serra fechando em segundo. Cacá vinha sofrendo com o desempenho dos pneus no fim da corrida, quando Diego Nunes sofreu um forte acidente na curva 4, obrigando a direção de prova a intervir novamente com o safety-car. Via rádio, ‘Serrinha’ disse que “ia pra cima”, mas a prova foi encerrada sob regime de bandeira amarela, impedindo um duelo final pela vitória no DF.

Thiago Camilo largou na pole-position mas foi superado logo na largada. Por conta de um forte ritmo de corrida e dos problemas de pilotos como Allam Khodair e Átila Abreu, o piloto da RCM conseguiu se recuperar ao longo da prova e completou o pódio em Brasília. Rubens Barrichello provou o quanto vem evoluindo na Stock Car e garantiu uma boa quarta colocação, enquanto Ricardo Maurício fechou o top-5.

Duas horas após o fim da prova, a Vicar divulgou um comunicado informando que sete pilotos foram excluídos da etapa de Brasília por conta de irregularidades no reabastecimento. Valdeno Brito, melhor colocado entre eles — em décimo —, Marcos Gomes, Átila Abreu, Luciano Burti, Popó Bueno, Nonô Figueiredo e Julio Campos foram limados da lista dos pilotos na classificação final da prova, alterando sensivelmente a tabela a partir da sua zona intermediária.


A luta pelo título está cada vez mais empolgante. Cacá lidera com 97 pontos, apenas um a mais em relação a Maurício. Serra se aproximou dos líderes e segue firme na briga pela taça. Agora, o piloto da Red Bull soma 94 pontos, enquanto Camilo ocupa o quarto posto, agora com 76.
Dupla da Red Bull recebe bandeirada final no anel externo de Brasília (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)

A próxima prova da Stock Car acontece em duas semanas. A categoria viaja de Brasília para Cascavel. O veloz circuito paranaense receberá a sexta etapa, que marca o fim da primeira metade da temporada 2013.

Saiba como foi a etapa de Brasília da Stock Car

Marcos Gomes largou melhor e subiu para a ponta. Quem não largou bem foi Camilo, que perdeu muitas posições no começo da prova, sendo superado pela dupla da Red Bull e também por Ricardo Sperafico, caindo para quinto. Mas em seguida, o piloto da Officer ProGP foi superado por Camio e Barrichello, que subiu para sexto. Fábio Fogaça vinha numa ótima oitava colocação.

Mas um incidente logo na primeira volta envolvendo Max Wilson, Popó Bueno, Nonô Figueiredo e David Muffato obrigou a direção de prova a intervir com a entrada do safety-car para a remoção dos detritos que ficaram na pista. Muffato teve de abandonar a peleja na capital federal.

A relargada foi autorizada na terceira volta, quando restavam ainda 34 minutos para o fim da corrida, com duração prevista de 40. Gomes manteve a liderança e era pressionado por Cacá Bueno, que ganhou a posição de Serra no início da corrida. Daniel também foi superado na relargada por Átila Abreu. O pole Camilo seguia na quinta colocação, mas lutava como um leão para se recuperar na corrida.
Largada da Stock Car em Brasília. Marcos Gomes pulou na frente (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Thiago e Daniel Serra travaram um bom duelo ao longo das primeiras voltas da corrida. Mais atrás, Fogaça foi superado por Rodrigo Sperafico e caiu para nono, logo à frente de Julio Campos, que teve um problema no assoalho do seu carro numa corrida que estava começando a ficar empolgante. Estava, porque novamente o safety-car teve de entrar na pista por conta de uma rodada de Felipe Lapenna, que ficou com seu carro parado numa posição perigosa na curva 4 após uma rodada.

Com nove voltas, a bandeira verde foi novamente acionada, liberando os pilotos para uma luta franca na pista. As primeiras colocações ficaram inalteradas, mas Serra conseguia, aos poucos se distanciar de Camilo e se aproximava de Átila Abreu. Khodair vinha em recuperação e foi capaz de superar Barrichello, avançando para a sexta colocação.

Finalmente Serra ultrapassou Átila e subiu para a terceira posição. O sorocabano também foi ultrapassado por Camilo e vinha perdendo muito rendimento, sendo superado por Khodair. Quando Ricardo Sperafico tentou passar Abreu, um toque entre os dois fez o piloto da Officer ProGP rodar no meio da curva, sendo acertado pelo carro de Fogaça, que vinha logo atrás. O paranaense deu muita sorte, já que o fortíssimo impacto aconteceu na lateral, em 'T', mas um pouco mais atrás de onde estava o piloto. Ambos escaparam sem maiores ferimentos.

Assim, o safety-car entrou na pista pela terceira vez. Antes disso, Marcos Gomes teve de cumprir um controverso drive-through porque, de acordo com a direção de prova, se movimentou lateralmente na reta dos boxes metros antes da largada. O paulista perdeu a liderança, que foi herdada por Cacá Bueno. Daniel Serra virou segundo lugar, enquanto Thiago Camilo completava o top-3 naquele momento.
Barrichello segurou Ricardo Maurício e terminou a corrida em quarto (Foto: Miguel Costa Jr./MF2)

Restando 15 minutos para o fim da corrida, a prova voltou ao seu curso normal. Os ponteiros seguiam na pista, enquanto pilotos do pelotão intermediário entraram de imediato nos boxes para a execução da parada obrigatória. Em seguida, a Red Bull chamou o líder Cacá para a realização do seu pit-stop, puxando uma fila de pilotos.

Serra assumiu a liderança e tinha Rubens Barrichello em segundo, mas o veterano foi superado pelo ‘Japonês Voador’ Khodair e caiu para terceiro. Mas todos eles fizeram suas respectivas paradas na volta seguinte. Galid Osman assumiu a liderança provisória e Nonô Figueiredo estava logo atrás. Com a parada de Galid, Nonô assumiu a liderança. Teoricamente, o veterano vinha em boa posição na corrida, já que havia feito sua parada para reabastecimento. No entanto, Figueiredo fez seu pit-stop com a prova sob regime de bandeira amarela, o que é proibido pelo regulamento técnico. Assim, Nonô teve de cumprir um drive-through.

Após o reposicionamento na pista, Cacá voltou na liderança e tinha em seu encalço Serra e Khodair. Barrichello era o quarto, mas foi ultrapassado por Camilo, que ficou em posição de brigar por um pódio em Brasília. O recordista de largadas na F1 passava a contar com a pressão de Ricardo Maurício, então líder do campeonato, mas se sustentava em quinto.
Diego Nunes bateu muito forte no fim da corrida em Brasília (Foto: Miguel Costa Jr./MF2)

Camilo subiu ao top-3 graças a um azar enorme de Khodair. O ‘Japonês Voador’ teve um pneu furado nos minutos finais da corrida, conseguiu controlar o carro ‘nervoso’ e chegou aos boxes. Entretanto, sua luta por bons pontos estava arruinada. Arruinada ficou também a corrida de Diego Nunes, que escapou na curva 4 e acertou em cheio na barreira de pneus. Por sorte, o piloto da RC3 Bassani escapou ileso e saiu do carro sem problemas.

Pela quarta vez, o safety-car foi acionado em Brasília. Durante essa interrupção, a Red Bull avisou Daniel Serra que Cacá Bueno estava com problemas com os pneus. No entanto, o #29 foi enfático no rádio: “Vou pra cima!”. Mas a limpeza da pista levou mais tempo que o previsto e não houve tempo hábil que a corrida fosse encerrada com bandeira verde. Assim, após receber a bandeirada de Felipe Nasr, Cacá confirmou a vitória na prova mais conturbada de toda a temporada até o momento e reassumiu a liderança em 2013.

Stock Car, Brasília, Autódromo Internacinoal Nelson Piquet, corrida, final: 

1 Cacá BUENO RJ Red Bull
Chevrolet Sonic
42:39.543 34 voltas  
 
2 Daniel SERRA SP Red Bull
Chevrolet Sonic
+0.244        
       
3 Thiago CAMILO SP RCM
Chevrolet Sonic
+1.591        
       
4 Rubens BARRICHELLO SP Full Time
Chevrolet Sonic
+1.766        
       
5 Ricardo MAURÍCIO SP RC
Chevrolet Sonic
+2.013        
       
6 Rodrigo SPERAFICO PR Mico's
Peugeot 408
+3.194        
       
7 Tuka ROCHA RJ RZ
Chevrolet Sonic
+3.909        
       
8 Galid OSMAN SP RCM
Chevrolet Sonic
+5.198        
       
9 Ricardo ZONTA PR RZ
Chevrolet Sonic
+5.533        
       
10 Raphael MATOS MG Hot Car
Chevrolet Sonic
+8.466        
       
11 Alceu FELDMANN SP Full Time
Chevrolet Sonic
+9.201        
       
12 Denis NAVARRO SP JF
Peugeot 408
+13.061        
       
13 Max WILSON SP RC
Chevrolet Sonic
+13.629        
       
14 Duda PAMPLONA RJ ProGP
Chevrolet Sonic
+14.182        
       
15 Lico KAESEMODEL PR Boettger
Peugeot 408
+14.708        
       
16 Sérgio JIMENEZ SP JF
Peugeot 408
+16.222        
       
17 Wellington JUSTINO GO Hot Car
Chevrolet Sonic
+17.700        
       
18 Rodrigo PIMENTA SP Gramacho
Chevrolet Sonic
+21.072        
       
19 Beto CAVALEIRO SP Hanier
Peugeot 408
+22.560        
       
20 Allam KHODAIR SP Vogel
Chevrolet Sonic
+25.301        
       
21 Vitor GENZ RS Gramacho
Chevrolet Sonic
+26.077        
       
22 Diego NUNES SP Bassani
Peugeot 408
NC        
       
23 Ricardo SPERAFICO PR ProGP
Chevrolet Sonic
NC        
       
24 Fábio FOGAÇA SP Vogel
Chevrolet Sonic
NC        
       
25 Felipe LAPENNA SP Hanier
Peugeot 408
NC        
       
26 David MUFFATO PR Carlos Alves
Peugeot 408
NC        
       

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube