Stock Car

Camilo vence segunda no ano e vê “retrospecto animador”, mas planeja melhorar “questão estratégica”

Thiago Camilo até pensou em segurar na corrida 1, mesmo saindo na pole, para tentar pontuar mais na corrida derradeira do final de semana em Goiânia. Mas, quando percebeu que abria vantagem para o segundo colocado, pisou fundo e garantiu os pontos máximos. Depois, não conseguiu repetir o feito na 2, mas já pensa em trabalhar isso com a Ipiranga

Grande Prêmio, de Goiânia / FELIPE NORONHA, de Goiânia / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
Três etapas, três poles, duas vitórias. A temporada de Thiago Camilo tem sido quase perfeita - falta só acertar na estratégia para que, na corridas 2 de rodadas duplas, a pontuação seja ainda maior, como a dos líderes Rubens Barrichello e Daniel Serra

Essa é a visão do piloto da A.Mattheis/Ipiranga, que triunfou de ponta a ponta na primeira prova do último domingo (19), em Goiânia, mas que ficou apenas em 11° na corrida derradeira. Isso significou 40 pontos, mas podia ser mais.

Ao GRANDE PRÊMIO, ele analisou seu final de semana, lembrando que já havia contado que poderia até mesmo deixar de vencer a corrida 1 para pontuar mais na soma. Mas que, no meio da prova, sentiu que triunfar era a escolha certa.

"No momento em que comecei a ganhar vantagem no (Ricardo) Zonta, quando vi que o Daniel (Serra) tinha caído para terceiro, decidimos manter o ritmo forte e abastecer para aumentar a distância", explicou - ele, de fato, passou a prova abrindo vantagem para Zonta, sempre acima dos 2s.
Thiago Camilo (Foto: Rafael Gagliano)
Mas a ideia de pontuar mais na segunda corrida seguia, só houve um imprevisto: "Ficou mascarada a nossa estratégia e perdi muito tempo na corrida 2 atrás de carros lentos. O ritmo era melhor, mas não consegui porque tinha que administrar os botões de ultrapassagem e todo o combustível, o pessoal conseguiu tirar a diferença. O ideal seria um safety-car antes da janela, com certeza teria um benefício muito grande, poderia até ter brigado pela vitória na corrida 2 também."

De qualquer forma, o #21 viu o final de semana de maneira positiva: "Não deixa de ser. Conseguimos concretizar a pontuação da segunda bateria, mesmo não sendo muita expressiva assim. Sabemos que muitos carros vão para o tudo ou nada na corrida 2 e isso acaba atrapalhando um pouco também. O mais importante de tudo é que são três corridas, duas vitórias, três poles, e caso nada tivesse dado errado no Velopark, teríamos saído com a vitória lá também, se não houvesse uma situação climática interferindo no resultado da corrida."

Camilo foi a 89 pontos e está em quarto na classificação, atrás de Ricardo Maurício, que tem 90, e de Barrichello e Serra, com 102.
Thiago Camilo (Foto: Rafael Gagliano)
A partir de agora, ele quer que a Ipiranga pense mais na estratégia, para que possa diminuir a vantagem dos líderes: "É um retrospecto muito animador, temos que trabalhar um pouco mais a questão estratégica, principalmente dos adversários, mas daqui pra frente fica mais fácil, porque no começo tem muita gente embolada e brigando pelas primeiras posições."

"Depois, o campeonato começa a definir quem vai ser mais forte, quem não estará tão forte assim, e você consegue trabalhar essa questão da estratégia melhor com seus concorrentes diretos", concluiu Camilo.

Ele volta a competir o retorno da Stock Car, no final de semana de 8 e 9 de junho, em Londrina. GRANDE PRÊMIO cobre tudo 'in loco' com o repórter Felipe Noronha.