Stock Car

Coluna Pisando Fundo, por Renan do Couto: A sambadinha voltou

Rubens Barrichello foi ao pódio na Stock Car em Salvador, mas alto lá: é um resultado ocasional. Até aqui, a temporada dele está sendo oito ou 80

Warm Up / RENAN DO COUTO, de São Paulo
 
Desde 2009 que Rubens Barrichello não subia ao pódio e comemorava com a sua tradicional sambadinha. A última vez havia sido no GP da Itália, quando ele venceu sua 11ª prova no Mundial de F1. Ontem, em Salvador, ele chegou em segundo, um resultado que mostra bem como está sendo sua passagem pela Stock Car: oito ou 80.
 
Você que viu a categoria ontem pela primeira vez no ano, na TV Globo, alto lá: não pense que o desempenho do ex-F1 está bom assim. Na etapa anterior, em Tarumã, ele passou um sufoco desgraçado. Não andou bem em momento algum do fim de semana e mal apareceu na TV na hora da corrida. Uma etapa para esquecer.

Barrichello festeja pódio na Bahia (Foto: Miguel Costa Jr/MF2)
Salvador foi completamente o oposto. No circuito de rua, ele foi lá e se classificou para largar em quarto. Fez uma corrida burocrática, sem erros e foi para o pódio, um pódio merecido. Aliás, é nos circuitos de rua que temos visto algumas das surpresas da Stock Car nos últimos anos, como as poles de Duda Pamplona na Bahia em 2012.
 
Enfim: podem esperar outras performances boas assim de Barrichello, até porque ele se classificou bem em outras provas, mas isso não acontecerá sempre. O natural é que ele continue oscilando nas próximas corridas até que complete a adaptação ao carro e à categoria.
 
Déjà vu
Durante a corrida, fiquei pensando no que seria uma eventual vitória do Barrichello, totalmente antagônica à de Hockenheim, em 2000. Naquela ocasião, ele ficou na pista com pneus para pista seca debaixo de uma chuva torrencial. Ontem, aconteceria o contrário: a vitória seria conquistada com pneus biscoito na pista seca.
 
De volta ao topo
Fazia tempo que Ricardo Maurício não ganhava uma corrida. Desde a Corrida do Milhão de 2010, em Interlagos. Na base da regularidade, ele foi vice em 2011 e 2012, mas sabe que, para ser campeão, precisaria reencontrar o caminho das vitórias. Conseguiu em Salvador. Fez uma prova consistente, sem erros, como sempre faz e, dessa vez, na medida certa para vencer. Agora lidera o campeonato.
 
A questão da estratégia
Não fosse o safety-car das voltas finais, a vida de Maurício e Barrichello teria sido bem mais complicada. É difícil demais ultrapassar em Salvador, mas o desempenho de quem estava com pneus slicks era bem melhor, prova disso é que Thiago Camilo, Cacá Bueno e Átila Abreu decidiram parar nos boxes e terminaram em terceiro, quarto e quinto, respectivamente. Para Camilo e Cacá, essa opção foi mais fácil, já que eles estavam no fim do pelotão e sem muito a perder. Átila é que perdeu, estava em primeiro e caiu para quinto. Ele lamentou o erro dele e da equipe, que não se atentaram para o fato de que, em circuitos de rua, é permitido trocar pneus durante um safety-car, diferentemente de outras etapas. Depois, o sorocabano foi punido pelo incidente que relato a seguir.

Raphael Matos, Max Wilson e Átila Abreu em Salvador (Foto: Jose Mario Dias)
 
Rafa Matos
Um que merecia estar no pódio era Raphael Matos. O piloto da Hot Car andou na frente durante todo o fim de semana, também optou por não trocar os pneus, mas foi superado na última volta por Cacá e Camilo. Para piorar, recebeu um toque de Átila Abreu, rodou e bateu, ficando fora até da zona de pontuação.
 
Largada atrasada
Choveu demais em Salvador e, pelos relatos, o mais inteligente era atrasar a largada mesmo. A corrida começou quase uma hora mais tarde que o horário previsto, 10h30. Bola dentro.
 
O campeonato
Daniel Serra se deu mal neste fim de semana. Largou em 14º, terminou em 12º e perdeu a ponta do campeonato. Maurício lidera, com 80, Cacá Bueno é o segundo com 73 e Serrinha, que deu entrevista sem óculos no sábado, 72.
 
A próxima etapa
É em Brasília, daqui a duas semanas, no dia 2 de junho. E lá vai estrear o Brasileiro de Turismo.
 
Mike Rockenfeller conquistou a segunda vitória dele no DTM (Foto: Audi)
No DTM
Mike Rockenfeller foi quem encerrou um longo jejum de vitórias. A segunda vitória na categoria veio dois anos depois da primeira, que aconteceu na Holanda, em 2011. Com a punição recebida por Martin Tomczyk na classificação, o caminho ficou livre para ele dominar a etapa de Brands Hatch e vencer.
 
Na Alemanha que é bom, nada
A última vitória da Audi na Alemanha foi em 2011, com Mattias Ekström, em Oschersleben. No ano passado, os dois triunfos da marca foram conquistados por Edoardo Mortara na Áustria e na Holanda, e a primeira vitória de 2013 aconteceu na Inglaterra.
 
Augusto Farfus...
...era o único que conseguia acompanhar Rockenfeller, mas, uma volta após seu segundo pit-stop, a caixa de câmbio o deixou na mão. Com a quebra do sistema, nada restou ao brasileiro se não abandonar. E assim ele perdeu a liderança do campeonato para Rockenfeller, que agora tem 29 pontos. Bruno Spengler, segundo em Brands Hatch, tem 28 e Farfus é o terceiro com 25.
 
Sobre Tomczyk
Erro primário da RMG no sábado. Ele perdeu a pole-position por estar abaixo do peso mínimo na hora da inspeção e, assim, completou mais uma prova fora da zona de pontuação.
 
Uma pena que...
...não teve TV. O BandSports não exibiu a corrida e ficamos todos reféns de streamings espalhados por aí. A propósito, as provas do DTM são transmitidas pelo YouTube em 2013, exceto para os países em que alguma emissora comprou os direitos, como é o caso do Brasil.
 
A próxima etapa
É em Zeltweg, na Áustria, daqui a duas semanas, no dia 2 de junho.
 
F-Truck
Régis Boéssio venceu pela primeira vez na categoria neste domingo, em Caruaru. Ele passou Leandro Totti no finalzinho da corrida e, com isso, dois pilotos que nunca haviam vencido até o ano passado ocupam a liderança e a vice-lideranã do campeonato após três etapas: Paulo Salustiano tem 70 pontos, um a mais que Boéssio. Os dois andam de Mercedes. Cirino, outro piloto da Mercedes, é o terceiro, mas está bem atrás, com 38.
 
Ex-F1 no grid
Alex Caffi estreou na F-Truck lá em Caruaru, mas lamentou os problemas no seu caminhão Iveco. Ele abandonou a 12 voltas do fim e disse que a próxima etapa, em Goiânia, ainda será levada como um treino. "Vamos fazer os treinos para pensar em resultados na corrida de julho, em Interlagos", falou.