Com três Corridas do Milhão no bolso, Camilo ainda busca primeiro título na Stock Car. E vai “acontecer naturalmente”

Três vezes campeão da Corrida do Milhão — atualmente a prova mais importante da Stock Car —, Thiago Camilo não é assombrado pelo fato de nunca ter erguido a taça de campeão da categoria nacional. Ao contrário, o piloto da RCM se disse tranquilo e acha que o título vai acontecer naturalmente

Foi em Goiânia, há duas semanas, que Thiago Camilo se tornou o maior vencedor da Corrida do Milhão — atualmente a prova mais importante do calendário da Stock Car. As vitórias anteriores aconteceram em 2011 e em 2012, ambas na pista de Interlagos. E a conquista na última edição ainda é considerada a maior de todas pelo piloto de 30 anos. Apesar do sucesso milionário, ainda falta no currículo de Thiago o título da categoria nacional.
 
Camilo vive uma situação que se assemelha de muitas formas à carreira de Helio Castroneves na Indy. O brasileiro da Penske, que possui uma história das mais sólidas e respeitadas do esporte a motor nos EUA, também é dono de três triunfos nas 500 Milhas de Indianápolis — igualmente a prova mais notória do calendário da séria norte-americana —, mas ainda não conseguiu se tornar campeão por lá. 
 
Dadas todas as devidas proporções, até em relação ao tempo de estrada de ambos e aos campeonatos que disputam, Camilo segue o compatriota. Tem uma fome por enfim levar a taça, mas acha também que a conquista-mor vai acontecer naturalmente, quando finalmente conseguir encaixar todos os detalhes, quando estiver na hora certa e no lugar certo.
Thiago Camilo está na Stock Car desde os 19 anos (Foto: Duda Bairros)
Questionado pelo GRANDE PRÊMIO sobre o que falta ainda para o título, Thiago não soube responder de cara. “É difícil falar o que falta para o título… Eu acho que o título na Stock Car hoje é resultado de um conjunto de coisas. São vários pequenos detalhes que precisam se encaixar. Tudo tem de dar muito certo”, afirmou o paulista, que chegou à categoria em 2003, com apenas 19 anos.
 
“Por exemplo, o campeonato do Marcos Gomes, ele praticamente não teve problema mecânico nenhum. Ele terminou todas as provas, foi bem em todos os pit-stops, nas estratégias. Agora, carro competitivo a gente tem. A gente também vai brigar sempre por vitórias”, completou Camilo, lembrando a temporada 2013, talvez o campeonato que esteve mais perto de levar a taça. Thiago foi o vice-campeão, depois de perder a Corrida do Milhão, em Interlagos, nas voltas finais. Na tabela, ficou a apenas três pontos de Ricardo Maurício, que ergueu o título naquele ano.
 
“Na verdade, tudo precisa encaixar como encaixou em 2013, exceto pela última corrida. Sabe, eu acho que é aquela coisa de estar na hora certa e no lugar certo. Mas não sei dizer o que falta ainda. Se eu soubesse… Acho que já teria sido campeão. Eu, na verdade, sou um cara tranquilo sobre isso. Vou tentar fazer o meu trabalho da melhor maneira possível e vou deixar que as coisas aconteçam. E isso é algo que acontece naturalmente. A gente tem de continuar a trabalhar”, acrescentou o competidor.
 
Na capital de Góias, neste mês de agosto, o piloto da RCM correu com o pé ainda inchado em decorrência do forte acidente que sofreu em Curitiba — o mesmo vai acontecer nas corridas deste fim de semana, em Cascavel. Thiago não está totalmente recuperado e vai competir ainda com as sapatilhas maiores. 
 
E falando em esforço, Camilo revelou que a etapa milionária foi uma superação. E algo que não esperava. “A Corrida do Milhão foi uma superação. Até pelas dificuldades, o acidente, aquela semana de recuperação e o trabalho da equipe no reparo do carro. Uma coisa aqui é você colocar o carro para andar e outra é preparar o carro para ser competitivo em pouco espaço de tempo. E essa era a minha maior preocupação”, disse o piloto. 
 
“Eu tinha certeza que o carro iria ficar pronto e que eu iria andar. Mas eu não sabia se seria de forma competitiva. Posso falar que deu para ver que não foi só um carro refeito, o trabalho todo foi feito com todo o cuidado, com toda a dedicação e carinho por parte da equipe”, contou.
Thiago Camilo recebe o seu terceiro troféu da Corrida do Milhão (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Por isso mesmo a conquista é considerada uma das maiores. “Ah é, sim”, falou. Camilo, entretanto, ainda acha que poderia ter levado mais. “Em 2011, quando vim aqui para a RCM, eu ganhei. E foi minha primeira temporada aqui. Em 2012, eu venci também. 2013 foi o ano que eu estava disputando o título, mas na corrida quebrou o meu câmbio. E provavelmente seria uma vitória. Aquela vitória era, na verdade, a mais certa dessas que eu tenho na Stock”, explicou.

 
“É uma vitória que não aconteceu, mas era uma corrida em que estávamos na briga. Não fosse isso, seriam 2011, 12 e 13… Aí teve 2014, que foi a briga com o Rubens Barrichello e agora 2015, que eu venci. Quer dizer, em todas essas edições nós estávamos na briga. Na verdade, nós poderíamos ter até contabilizado mais vitórias do Milhão, seríamos tetra…”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube