Conta-giro: Stock Car tem Cacá, Maurício e Wilson fora do top-5 e começa a flertar com campeão inédito em 2014

A classificação da Stock Car está extremamente apertada em 2014, mas os resultados permitem se imaginar que, depois de alguns anos de hegemonia, a categoria vai voltar a conhecer um campeão inédito


São só 12 pontos que separam Cacá Bueno do líder Átila Abreu após as oito primeiras corridas da temporada da Stock Car. Mas a diferença é o bastante para deixar o pentacampeão da categoria apenas em sexto lugar na pontuação do campeonato. De todos os que estão no top-5 depois da Corrida do Milhão, nenhum tem um título da categoria no currículo e, embora ainda falte boa parte da disputa, já dá para começar a vislumbrar a possibilidade de um campeão inédito ser coroado em 2014.

Com a saída de David Muffato do grid, apenas três campeões estão em atividade em 2014. O já mencionado Cacá Bueno, o atual campeão Ricardo Maurício, que está em 11º, e o vencedor do campeonato de 2010, Max Wilson, 19º. Nenhum deles sequer foi ao alto do pódio neste ano.

Em compensação, 17 pilotos que já triunfaram competem regularmente na Stock Car. Para se ter uma ideia, na F1, o recorde de vencedores que alinharam em um mesmo grid foi de 15, nos GPs da Bélgica e da Espanha de 1978.

Da extensa lista, ganharam provas em 2014: Felipe Fraga, Valdeno Brito, Antonio Pizzonia, Thiago Camilo, Átila Abreu e Rubens Barrichello. E Valdeno, que bateu na trave em anos recentes, acredita que seria bom para a Stock Car se um novo nome fosse consagrado. “O Cacá já tem muitos títulos, não precisa”, brincou em entrevista ao GRANDE PRÊMIO.

“Acho que faz bem para a categoria, mas cada um vai fazer seu melhor. O nível está muito forte, acho que a Stock Car nunca teve tantos pilotos competentes. Seja lá quem for que ganhe, vai ser bem merecido”, acrescentou o piloto.

Cacá Bueno enfrentou percalços em 2014 e ainda não conseguiu vencer uma prova no campeonato (Foto: Bruno Terena/Red Bull)

Contudo, os campeões acreditam que ainda conseguirão se recuperar na briga neste segundo semestre. Com as rodadas duplas e os 39 pontos em jogo a cada fim de semana, subir na tabela é mais simples do que já foi em outros anos. E a prova final, em Curitiba, o primeiro colocado vai faturar 48 pontos. Marcos Gomes e Valdeno servem de exemplo: chegaram à Corrida do Milhão em primeiro e segundo, saíram em sétimo e oitavo. 

“Acho que pode ter um campeão inédito. Não dá para desprezar ninguém. O campeonato está muito, muito aberto, e tem pouquíssimos campeões em atividade. A porcentagem joga a favor de que tenha um campeão em inédito, mas vou tentar frustrar essa expectativa dos pilotos e tentar meu sexto título”, disse Cacá ao GP. “Vale lembrar que a última corrida vale 48 pontos. Se pegar o líder e ver quem pode ser campeão, é quase o grid inteiro”, comentou o carioca, que, caso não fique com o título, declarou a torcida pelo irmão Popó, pelas equipes de Andreas Mattheis e pelo pupilo Felipe Fraga. Com 29 pontos, Popó é justamente o último que está dentro dessa margem de 48 tentos.

Maurício, bicampeão, destacou o crescimento de equipes e o impacto que o novo regulamento desportivo teve no modo de disputa. “Acredito que a possibilidade de um campeão inédito é maior sim, até porque a categoria vem crescendo, as equipes melhoram ano a ano, estão equalizando bastante”, falou ao GP.

Do outro lado da disputa, há um grupo que, há algum tempo, tem frequentado as primeiras posições. Destaque para Átila e Camilo, líder e vice-líder, que já brigaram por títulos antes na carreira. “Dos seis anos que eu estou na Stock Car, sem dúvida, é o campeonato mais equilibrado. Pilotos muito bons estão sabendo se aproveitar do regulamento”, avaliou Átila ao GP.

Camilo, que tem 17 vitórias na carreira e está atrás somente de Cacá entre os pilotos em atividade, seguiu raciocínio parecido com o de Maurício e destacou a mudança na ordem que foi provocada pelo regulamento. “Tem equipes novas e pilotos novos aparecendo dentro desse novo formato. Mas eu acredito que, no final, as equipes ‘normais’ vão se recuperar”, comentou o piloto com o GP. Ele ressaltou que um único fim de semana positivo já pode recolocar alguém na briga: “Qualquer equipe que ache uma coisinha pode surpreender.”

Thiago Camilo tem mais vitórias que os campeões Ricardo Maurício e Max Wilson, mas ainda falta o título (Foto: Duda Bairros / Vicar)

Mas o top-5 ainda tem três pilotos que estão pela primeira vez luta pela taça — dois deles sequer têm vitórias na categoria e tem usado a regularidade como trunfo: Julio Campos, Rubens Barrichello e Sérgio Jimenez. Entre os dez melhores, ainda aparecem Pizzonia e Fraga, vencedores de primeira viagem em 2014.

E a equipe de Campos, a Mico’s, é a líder do campeonato de equipes, seguida pela Full Time e pela Voxx, o que leva a imaginar um outro cenário: o fim da hegemonia de Rosinei Campos e Andreas Mattheis, preparadores que venceram todos os campeonatos desde 2004. A RCM e a Red Bull aparecem só em quarto e quinto lugares — embora o grupo esteja separado por somente 26 pontos.

“Muitas equipes, como a nossa, estão se estruturando, chegando muito forte para brigar pelo título, além de novos pilotos andando muito rápido. Então acho que são vários fatores que estão embolando, é a renovação, sempre está renovando e a categoria está mostrando que, cada vez mais, os que sempre andavam na frente vão ser incomodados”, afirmou Campos ao GRANDE PRÊMIO.

“A nossa ideia é brigar pelo título, tanto de pilotos, quanto de equipes. Estamos provando, etapa a etapa que os dois pilotos são muito competitivos. Realmente, é muito parecido o nosso desempenho nos treinos, nas tomadas de tempo, e isto tem ajudado muito o time, eu e o Pizzonia estamos nos ajudando muito e o carro está bem. Então a meta é esta, estamos indo bem, vamos tentar seguir firme nessa disputa”, completou o paranaense.

William Lube, chefe da Voxx, também destacou essa “estruturação” dos times. “Trabalhei muito tempo com o Andreas, sei da capacidade dele, do Meinha também, e espero que esse ano a gente possa fazer um grande trabalho e levar esse título para Petrópolis também, mas para uma equipe nova que se estruturou para isso”, disse em entrevista ao GP.

A próxima etapa da Stock Car acontece neste fim de semana, em Cascavel, de volta ao formato de rodada dupla após a Corrida do Milhão.

Campos ainda não venceu, mas está em terceiro (Foto: Vanderley Soarez/MF2)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar