Corrida do Milhão promete luta direta entre ponteiros do campeonato, e ‘Hero Push’ vira fator de decisão

A Corrida do Milhão da Stock Car deve acompanhar uma disputa direta entre os dois ponteiros do campeonato, uma vez que o vice-líder Daniel Serra cravou a pole e o líder, Thiago Camilo, larga na segunda posição. Mas o que deve mesmo fazer a diferença na etapa de Curitiba é o botão de ultrapassagem a mais que os escolhidos pelo público vão ter

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A classificação da Stock Car em Curitiba serviu como um aperitivo do que vai ser a nona edição da Corrida do Milhão. Em uma sessão acirrada em que os seis mais rápidos ficaram separados por seis décimos, a briga pela vitória se caminha para um confronto direto entre os dois ponteiros da classificação do campeonato. Soberbo e sobrando, Daniel Serra provou, uma vez mais, que já é de casa na RC. Tirando proveito de toda a experiência de Rosinei Campos na pista curitibana, o filho de Chico se mostrou imbatível na hora em que teve mesmo de acelerar. É bem verdade que perdeu para Thiago Camilo na primeira parte da volta, mas depois voou para conquistar a pole-position em 1min18s538, batendo o rival por 0s216.

 
Camilo, por sua vez, vinha se sustentando na liderança até quase o fim, mas acabou tendo de se conformar com a posição 2 do grid – mas não há dúvidas de que o paulista, três vezes vencedor do Milhão, está mais forte do que aparenta. A história até aí, então, se desenha como a primeira grande chance de um duelo direto entre os dois. Bom lembrar que, na ponta da tabela, ambos estão separados por apenas 15 pontos. A vitória em Curitiba vai render ao novo milionário 30 tentos.
 
Por isso, a palavra de ordem é: atacar. Ainda que Serrinha se mostre até mais cauteloso, na medida em que está com a cabeça mais no campeonato do que no milhão, sabe que Camilo é "sempre perigoso". "Ainda temos um longo caminho. Claro que é sempre bom sair da pole, mas ainda temos de ver o que vai acontecer amanhã. A intenção, é claro, é marcar bons pontos para o campeonato. Mas é um bom começo", disse o pole ao GRANDE PRÊMIO.
Daniel Serra (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

"É uma corrida curta, mas é uma corrida muito difícil também. O ritmo vai ser muito forte, então é preciso saber bem o quanto dá para abusar. Se errar, aí vai acabar sofrendo muito lá na frente", completou, deixando transparecer que vai usar de toda a estratégia possível para assegurar a liderança.

 
Já Camilo é todo ataque e não pensa em poupar nada, justamente porque seu principal adversário está logo ali na frente. "Não estou em posição de administrar, ainda mais com o segundo colocado largando ali na pole. Se eu estivesse em segundo e ele em 15º, aí sim. Mas a partir do momento em que estou junto dele e sei que ele pode reduzir a diferença caso termine à frente, não tem jeito: é buscar a vitória", afirmou o #21.
 
E neste cenário, mais do que a escolha correta do momento de parada nos pits, o que pode realmente complicar a vida é o botão de ultrapassagem a mais que somente seis pilotos do grid vão ter – diante da escolha do público. Para a Corrida do Milhão, a regra estabelece que cada piloto possa usar apenas oito vezes o 'push' – o mecanismo que aumenta a potência do motor por determinado tempo e ajuda em uma ultrapassagem ou em uma defesa de posição. E é exatamente esse novo item no regulamento que deve interferir na disputa.
 
"Acho que o push vai fazer mais diferença nesta corrida. Ainda mais que a gente tem uma quantidade baixa de botão de ultrapassagens", declarou Serra, que teve a opinião compartilhada por Camilo.
 
"O mais decisivo vai ser o push extra. Os nove botões de ultrapassagem vão ser um diferencial, e estou confiante de que vou conseguir. Até queria agradecer por tantos votos, recebi tanta coisa nas redes sociais que nem esperava. Gostei muito, muito legal essa iniciativa, e o esporte, de um modo geral, caminha para esse lado de mais interação, deixar o público participar da corrida, isso faz parte do show. E é isso o que a gente tem de fazer aqui: proporcionar para o público uma boa corrida, um espetáculo, boas disputas. Estou feliz que a Stock Car vem crescendo nesse aspecto. A gente tem de se preocupar, mas a gente sempre foi meio engessado quanto a isso. E graças a Deus houve um crescimento, muito por conta do Rodrigo [Mathias, novo chefe da Stock Car]. É a primeira vez que a Stock Car é administrada por uma pessoa que não é 100% ligada ao automobilismo. Isso vem sendo bacana, ele está fazendo um excelente trabalho e vale a pena apoiá-lo. É algo positivo para os pilotos, equipes, patrocinadores e o público, que é o principal", falou o líder do campeonato ao GRANDE PRÊMIO.
Thiago Camilo (Foto: Duda Bairros/Vicar)
Quem corre por fora
 
O grid de largada de Curitiba viu a Cimed tentar pavimentar a evolução que tanto procura neste ano em que enfrenta dificuldades com a troca da bolha. Os dois campeões da equipe, Marcos Gomes e Felipe Fraga, se colocaram fortes na classificação e vão largar da segunda fila, o que deve colocar um tempero aí na briga da frente entre os dois ponteiros. Cacá Bueno também veio competitivo na parte intermediária da sessão, mas acabou ficando fora do Q3 por muito pouco. Ainda assim, a equipe parece empenha em buscar a virada que deseja no campeonato.
 
"Fui o piloto que mais largou na pole da Corrida do Milhão, com três conquistas, mas em todas estas ocasiões a vitória acabou escapando por pouco. Quem sabe agora largando na segunda fila a tão esperada conquista do Milhão chegue", disse Gomes depois do treino decisivo.
 
"Foi uma pena ficar de fora por apenas dois centésimos de segundo do Q3, mas sendo sincero seria muito difícil brigar pelo primeiro lugar. Mas em todo caso temos um ótimo carro com pneu usado e a Corrida do Milhão tem uma dinâmica bem interessante", afirmou Cacá.
Julio Campos (Foto: Rodrigo Guimarães)

Ente eles, está Julio Campos, que surge como um 'intruso', mas que mostrou força e fôlego durante a sessão que definiu as posições de largada. "É sempre bacana ficar entre os seis. Largando em quinto nos dá a chance de brigar pela corrida, embora o mais importante seja sempre somar o maior número de pontos possível para a equipe. Vamos lutar até a metade da corrida e esperar para ver como será o final", explicou o piloto da casa.

Mas também não há como deixar de mencionar Ricardo Maurício, que sai de sexto, e Max Wilson, que largada da oitava colocação. Ambos estiveram sempre fortes ao longo dos treinos e devem apresentar desempenho muito parecido ao de Serra em ritmo de corrida. 
POLÊMICA MOSTRA QUE VETTEL PISOU NA BOLA E HAMILTON FOI MALANDRO EM BAKU

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube