Gomes vê mudança de sede da KTF como prejudicial ao ano: “Atrapalhou muito”

Marcos Gomes foi ao pódio na decisão da Stock Car em Interlagos, no terceiro posto. Mas crê que poderia ter alcançado outros durante o ano - se a KTF tivesse se focado no desenvolvimento do carro, não na mudança de sede

Marcos Gomes irá para a Cavaleiro em 2020, mas anotou a pole e foi ao pódio em terceiro lugar na decisão da Stock Car, em sua despedida da KTF, no último domingo (15). Como Diego Nunes, seu companheiro, também foi bem (quinto), é de se pensar por que a equipe demorou tanto para embalar.

Por isso, o GRANDE PRÊMIO falou com Gomes e lembrou que, no começo da temporada, a previsão do piloto era de que a partir do meio do ano a KTF já andaria no topo. Demorou um pouco mais. E Gomes opinou por que – citando um motivo curioso: a mudança de sede.

"Eu acho que a gente começou superando expectativas, isso obviamente foi positivo. Conseguimos andar entre os cinco primeiros nas duas primeiras etapas. Não vencemos uma segunda bateria porque o carro ainda quebrava um pouco, não tinha uma durabilidade tão grande. No meio do ano conseguimos essa resistência, essa durabilidade, mas perdemos um pouco de performance."

"A equipe construiu uma sede nova, então toda a mudança de sede acabou demorando bastante tempo e isso, sem dúvida, prejudicou o nosso meio de temporada. Já de umas três etapas para cá achamos o caminho de novo, Diego conseguiu um pódio (Velo Città). Em Interlagos veio a comprovação de que o carro voltou a ser o que era. Pena que já acabou o ano", continuou.

Marcos Gomes (Foto: Cauê Moalli/Grande Prêmio)
Paddockast #46
OS 10 MELHORES PILOTOS DA DÉCADA

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Para ele, é inegável que o foco da equipe, que foi estreante na temporada, mudou durante o ano. E isso tirou força não só do carro, mas de quem trabalha nele.

"Principalmente se tratando de segunda bateria, a gente sempre esteve competitivo para conseguir um pódio. Mas é uma equipe nova, primeiro ano, primeiro ano dos mecânicos trabalhando junto, diretor técnico, os engenheiros… Então, por exemplo, no Velo Città, na segunda etapa do ano, a gente conseguiria um pódio, em Campo Grande eu tinha tudo para vencer a corrida 2 e teve problema no pit-stop, e em outras etapas o carro acabou quebrando. Fomos infelizes em estratégias…"

"E sem duvida nenhuma a mudança da equipe para a sede nova trapalhou muito. Parece uma coisa … 'Como uma mudança pode atrapalhar rendimento do carro?', mas atrapalhou. Deixaram de ficar focado no carro para fazer uma mudança de uma equipe com três carros de Light, dois de Stock Car, é muita coisa. Até deixar tudo pronto lá prejudicou essas etapas", concluiu o #80.

Gomes terminou a temporada com 178 pontos, garantindo a nona colocação – mesmo sem ter disputada uma etapa, em Goiânia, por estar competindo na China. Já a KTF viu também Diego Nunes beirar o top-10, ficando em 11°, e foi campeã da Stock Light com Guilherme Salas

Carregando…

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar