Stock Car

Líder da sexta-feira no Velopark, Abreu destaca equilíbrio do carro, mas diz que “ainda é cedo para comemorar”

Átila Abreu liderou o segundo e último treino livre de uma conturbada sexta-feira no Velopark, marcada por chuva e pista úmida na maior parte do dia. Mas o asfalto secou nos minutos derradeiros e permitiu uma melhora significativa do tempo, com o piloto da Shell V-Power superando Felipe Fraga, atual vice-campeão, por meros 0s002

Grande Prêmio, do Velopark / Redação GP, de Sumaré
O primeiro dia de atividades da temporada 2019 da Stock Car foi um tanto conturbado em virtude do clima. A chuva que deu as caras desde cedo no autódromo do Velopark, palco da corrida 500 da principal categoria do automobilismo brasileiro, no próximo domingo, fez com que os dois treinos extras previstos antes das sessões livres desta sexta-feira (5) fossem desafiadores. Cacá Bueno foi o mais rápido no molhado, seguido por Gaetano di Mauro e Ricardo Zonta. No primeiro treino livre propriamente dito, no fim da tarde, a Shell se manteve no pelotão da frente, com Átila Abreu desbancando Felipe Fraga por 0s002 para ficar com o melhor tempo do dia.
 
Tanto Gaetano como Ricardo Zonta entraram na pista no primeiro treino livre quando o asfalto ainda estava bem molhado e, portanto, obtiveram tempos bem mais altos, acima de 1min, com o jovem estreante ficando com o 17º melhor tempo, e Zonta, o 23º. Galid Osman e Átila Abreu foram à pista no segundo grupo. Novo contratado da Shell, Galid não passou pneus novos e ficou com o 12º melhor tempo com 55s464, e Átila bateu Fraga no fim para anotar 54s093. 
 
Tempos, como sempre de praxe na Stock Car, muito próximos, e isso se acentua ainda mais no circuito de pouco mais de 2 km de extensão em Nova Santa Rita.
Átila Abreu fez o melhor tempo com pista seca na sexta-feira de treinos no Velopark (Foto: José Mário Dias/Shell)
Ao falar sobre o trabalho realizado nesta sexta-feira, Átila destacou a mudança de clima para lembrar que ainda não há muitas informações sobre o comportamento do carro, mas o desempenho como um todo foi encorajador.
 
“Foi um dia bem conturbado porque choveu o dia inteiro e só secou nas últimas voltas do meu grupo. Foi um dia em que colhemos poucas informações. Na chuva, podemos melhorar o equilíbrio do carro. Não fizemos o treino 1 porque achamos que poderia secar e para não estragar o carro. Com pneu novo para seco, um composto que nunca andamos na história da Stock Car, serviu para colhermos algumas informações para amanhã”, destacou o sorocabano, ressaltando também a importância do novo pneu desenvolvido pela Pirelli.
 
“É muito cedo ainda para comemorar, mas saber que está com o bom equilíbrio obviamente anima voltar andando bem. Ainda temos de trabalhar muito. É um pouco de loteria saber qual o equilíbrio ideal e tentar brigar pela pole”, acrescentou o dono do carro #51.
Galid Osman acelera seu novo carro na pista do Velopark (Foto: José Mário Dias/Shell)
Galid foi na mesma linha de Átila ao ressaltar as dificuldades de um dia mexido pelo clima. “Foi um dia bom, mas estava um pouco conturbado. Ora secava, ora chovia mais, e no fim agora a pista estava praticamente seca, com trilho. Não dá para saber quem estava com pneu mais mole ou mais duro, no meu caso estava bem usado. Foi positivo, consegui me enturmar com a equipe e os mecânicos, engenheiros, consegui sentir o meu carro para ver se a posição era boa, e era. Vou trabalhar bastante para voltar forte amanhã”, comentou o piloto.
 
Em seu primeiro dia como piloto da Shell Helix Ultra na Stock Car, Gaetano comemorou a performance como um todo do seu carro #11. “Estou muito contente com o desempenho. A equipe está fazendo um bom trabalho e estou me adaptando bem ao carro. Agora só faltam os ajustes finais, me adaptar um pouco melhor ao carro e chegar ao melhor acerto. Mas já indica que vai ser um bom fim de semana para nós. Vamos com tudo e pé na tábua”, disse o novato.
Gaetano Di Mauro foi muito bem no molhado na sexta-feira (Foto: José Mário Dias/Shell)
Mais experiente dentre os pilotos da Shell V-Power, Zonta também analisou o dia com base nas mudanças climáticas e, assim como seu companheiro de equipe, Átila, entende que ainda há poucas informações precisas sobre o carro.
 
“As condições mudaram bastante. O último treino começou molhado e foi secando. Quando todos estavam nas mesmas condições, todo mundo com o pneu de chuva e a pista mais molhada, eu estava sendo o mais rápido. Nos últimos minutos, escolhemos fazer outras coisas na mecânica do carro, e outros foram mais rápidos porque a pista começou a secar”, explicou.
 
“É difícil fazer comparação com a performance dos outros grupos. Mas estou contente, e tudo que fizemos no meu carro no molhado foi positivo. Amanhã é torcer para pegar condições normais para evoluir o carro no seco. Estou bastante otimista, no molhado o carro está em condições muito boas. Vamos ver no seco, mas acho que também vai estar rápido”, concluiu Zonta.
Bem no molhado, Ricardo Zonta aposta em boa performance também no seco (Foto: José Mário Dias/Shell)
As atividades deste sábado (6) de Stock Car começam logo cedo, a partir de 8h30 (horário de Brasília) com a realização do segundo treino livre. A definição da pole-position acontece logo mais, às 13h30.
 
O GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a etapa de abertura da temporada 2019, a Stock Car 500, com o repórter Felipe Noronha. Siga tudo aqui.