Reforma mal feita em Brasília atrasa cronograma e põe em risco segurança dos pilotos na Stock Car

O Autódromo Internacional Nelson Piquet faz parte de um complexo esportivo onde está localizado o Estádio Nacional Mané Garrincha, recém-reinaugurado e orçado em mais de R$ 1 bilhão. Entretanto, nos arredores do estádio, as obras denotam um autódromo com o aspecto bastante ruim, quase de abandono, em que pese as reformas realizadas recentemente

O caos se instalou de vez em Brasília neste sábado (1). De maneira semelhante ao que aconteceu pela manhã no circuito candango durante o treino livre 1 da Stock Car — com duração de mais de seis horas —, novamente os bueiros que beiram as zebras das curvas 1 e 4 do anel externo, recém-reformado, se soltaram durante as práticas do novíssimo Brasileiro de Turismo, colocando em risco a segurança dos pilotos e atrasando o cronograma de atividades de pista desenvolvida pela Vicar para o fim de semana.

As obras foram realizadas para recuperação de algumas áreas da pista, sobretudo no anel externo — que está sendo utilizado neste fim de semana. As zebras de apoio foram ampliadas e refeitas, e este é o grande problema: recentes e sem acabamento ideal, se desfizeram com a passagem dos carros da Stock Car e do Brasileiro de Turismo.

Além de transformarem o cimento em pedregulhos, uma tampa de bueiro se desprendeu. O treino da manhã durou mais de seis horas e a classificação começou com 30 minutos de atraso pela ação de funcionários que tentavam reparar a curva que leva à reta principal. Assim, todo o cronograma estabelecido pela Vicar foi por água abaixo. Os treinos seguintes à primeira sessão do fim de semana em Brasília foram compactados e tiveram um máximo de 30 minutos de duração, prejudicando os pilotos, que já não têm lá muito tempo para testes, visto que não existem mais os treinos de sexta-feira.
Ricardo Maurício e Tuka Rocha observam trabalho de reparo na zebra em Brasília (Foto: Luca Bassani)

Via comunicado, a Vicar, empresa que promove e organiza a Stock Car, explicou o ocorrido em Brasília pela manhã. "Os treinos da Stock Car foram paralisados por questão de segurança. Organizadores tentam resolver a questão das armações de ferro, uma espécie de ralo, colocadas sobre as tampas de concreto fixadas sobre os bueiros nas laterais da pista e justamente onde os carros apoiam parte dos pneus na busca pelos tempos mais rápidos. O Autódromo de Brasília passou por algumas reformas para receber esta etapa da Stock Car", disse a empresa.

O Autódromo Internacional Nelson Piquet faz parte de um complexo esportivo onde está localizado o Estádio Nacional Mané Garrincha, recém-reinaugurado e orçado em mais de R$ 1 bilhão. Entretanto, nos arredores do estádio, as obras denotam um autódromo com o aspecto bastante ruim, quase de abandono, em que pese as reformas realizadas recentemente, sobretudo no anel externo.

A primeira interrupção do treino livre inicial em Brasília aconteceu logo após a entrada dos carros do grupo 2, pela manhã. A tomada de tempos dos pilotos foi bastante prejudicada por conta de um problema nas zebras da curva 1. A sessão foi interrompida com bandeira vermelha para que a organização do autódromo fizesse reparos na pista naquela altura da pista. Para amenizar o problema, a direção de prova determinou que, ao retorno do treino, os pilotos teriam mais 55 minutos de atividades no anel externo de Brasília.

Às 11h10 (hora de Brasília), o treino ainda não havia sido retomado. Por meio do locutor oficial da Stock Car, os chefes de equipe foram chamados à torre de controle para uma reunião em caráter de urgência. Após a reunião com os comissários esportivos e chefes de equipes, os boxes foram abertos às 11h25. 

Segundo o locutor, ficou decidido, também, que os pilotos não podem mais usar a zebra da curva 1, trecho da pista que causou a interrupção do treino. Segundo a organização da Stock Car, está prevista uma tolerância para um primeiro erro, uma advertência na segunda vez e, na terceira vez, punição — a qual não foi especificada.

Finalmente, depois de quase uma hora de paralisação, a sessão foi liberada para 55 minutos para os pilotos do segundo grupo. Mas o treino seguiu seu curso por apenas 12 minutos, já que novamente foi interrompido com bandeira vermelha, obrigando os pilotos a voltarem para os boxes. Assim como da primeira vez, a interrupção foi feita para a realização de reparos na curva 1.

O treino foi retomado às 13h50 (hora de Brasília) e teve mais meia hora de duração. Cacá Bueno foi o mais rápido da sessão, assim como Thiago Camilo liderou o segundo treino. Entretanto, ao longo das atividades de pista do Brasileiro de Turismo, alguns pilotos passaram por cima dos bueiros postados à margem das zebras e abriram os bueiros, atrasando novamente os trabalhos na capital federal.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube