Stock Car

Shell V-Power projeta rodada dupla de recuperação e aposta em “bom ritmo de prova” no Velo Città

Átila Abreu vai largar em 11º no grid da primeira corrida deste domingo em Mogi Guaçu, interior de São Paulo, enquanto Ricardo Zonta vai fechar a oitava fila do grid. Thiago Meneghel acredita que a rodada dupla tende a ser mais positiva com o notório ritmo de corrida da Shell V-Power
Warm Up, do Velo Città / FERNANDO SILVA, do Velo Città
 Átila Abreu e Thiago Meneghel no Velo Città (Foto: José Mário Dias/Shell Racing)
Depois de uma sexta-feira de treinos bastante animadora no Velo Città, o sábado (22) que definiu o grid de largada para a corrida 1 da nona etapa da temporada 2018 da Stock Car não foi como o esperado para a equipe Shell V-Power. O time, que corre praticamente em casa neste fim de semana — por conta da sede, em Americana, estar a menos de 100 km de Mogi Guaçu —, vai contar com Átila Abreu largando na 11ª posição na primeira corrida do domingo, enquanto Ricardo Zonta vai fechar a oitava fila com o 16º lugar.
 
A partir deste sábado, a Stock Car implementou uma mudança na divisão dos pilotos entre grupos 1 e 2 no Q1. Assim, os 15 primeiros colocados do campeonato foram posicionados no G1, casos de Átila e Zonta. A maior parte dos pilotos do G1 conseguiu avançar à segunda fase do treino classificatório. O sorocabano se garantiu no Q2, mas Zonta, que não conseguiu encontrar a melhor performance, foi o primeiro eliminado da sessão.
 
“Não conseguimos achar o balanço do carro, uma linha de trabalho para melhorar a aderência”, reportou o paranaense. “Então, essa posição foi o que conseguimos fazer até agora no fim de semana. Agora é trabalhar um outro caminho para tentar melhorar o carro para a corrida. Por enquanto, o desempenho mostra que precisamos evoluir mais”, ponderou o dono do carro #10.
Átila Abreu vai partir para uma corrida de recuperação Velo Città (Foto: José Mário Dias/Shell Racing)
Átila seguiu no treino classificatório até o Q2. O piloto cravou 1min28s943. Apenas 0s3 separaram o #51 de um lugar no Q3. O sorocabano também se queixou da falta de equilíbrio, assim como Zonta.
 
“No treino livre da manhã conseguimos evoluir o carro, mas na classificação piorou um pouquinho, não tivemos o melhor equilíbrio. Uma pena, esperava brigar mais lá na frente e ao menos ir até o Q3. Agora é traçar a melhor estratégia para tentar sair com uma vitória aqui e pontuar para o campeonato”, explicou.
 
Ao fim da classificação, Thiago Meneghel ressaltou que o desempenho geral não foi como o esperado. “Logicamente não estamos largando onde gostaríamos. O Átila sempre esteve melhor nos treinos, e hoje pela manhã ele ficou de novo entre os primeiros sem passar pneu novo. Então esperávamos mais, pelo menos um Q3. Fizemos uma última mudança para acabar com o último problema que tínhamos, mas piorou e faz parte”, disse.
Ricardo Zonta lamentou o desempenho abaixo do esperado neste sábado no Velo Città (Foto: José Mário Dias/Shell Racing)
“De ontem para hoje, melhoramos um pouco o carro e tentamos dar mais um passo na classificação, mas piorou. É uma pena, mas a corrida está em aberto. Sempre temos um bom ritmo de prova, quem sabe dá para brigar por um pódio, ou na primeira ou na segunda corrida”, acrescentou o engenheiro e chefe da Shell V-Power.
 
Meneghel lamentou pelo fato de Zonta não ter encontrado a performance ideal ao longo do sábado. “Com o Zonta, a situação está um pouco mais difícil. O carro não estava tão bom nos treinos, mas deixando o pneu novo só para hoje, e imaginávamos estar com ele ali perto de décimo, mas não deu, foi o primeiro eliminado. Quem sabe, se ele tivesse passado ao Q2, daria para ele largar perto do Átila. Com certeza, é uma corrida de recuperação para nós”, concluiu.