Stock Car

Shell V-Power visita paddock do GP do Brasil e se inspira na F1 para evoluir ainda mais na Stock Car

A Shell V-Power visitou o paddock do GP do Brasil de F1 para evoluir ainda mais e ver como as equipes do Mundial se organizam para melhorar os trabalhos como um todo. “Só de estar aqui já abre um pouco a mente”, destacou Thiago Meneghel, chefe da equipe na Stock Car
Warm Up, de São Paulo / FERNANDO SILVA, de Interlagos
 Por conhecimento, a Shell V-Power esteve em Interlagos para analisar os procedimentos das equipes da F1 (Foto: Fernando Silva/Grande Prêmio)

O fim de semana mais importante para o automobilismo no Brasil tem a presença maciça da Academia Shell Racing dentro e fora da pista. Entre os dias 9 e 11 de novembro, Interlagos recebe o GP do Brasil de F1, que tem como preliminar a etapa final da Porsche Carrera Cup. Lico Kaesemodel e Gaetano di Mauro correm e lutam pelo título das suas categorias, 4.0 e 3.8, respectivamente. 
 
No paddock, a comitiva liderada por Vicente Sfeir, gerente de patrocínios e motorsport da Shell, conta com membros da equipe Shell V-Power e seus pilotos, Átila Abreu e Ricardo Zonta, além de Gianluca Petecof, talento da Academia Shell Racing na F4 Italiana e Alemã.
 
Na última quinta-feira, Thiago Meneghel, chefe de equipe da Shell V-Power, esteve no laboratório de combustível da Shell — dentro dos boxes da Ferrari —, no paddock e no pit-lane do Autódromo de Interlagos ao lado de três membros da equipe terceira colocada e dona de cinco vitórias na temporada 2018 da Stock Car: Antonio César Gimenez, Renan Moraes e Edson Ramos. 
Comitiva da Shell V-Power no laboratório da Shell dentro do box da Ferrari em Interlagos (Foto: Divulgação/Shell V-Power)
O objetivo era ver um pouco do procedimento feito pelas equipes da F1 dentro dos boxes para evoluir ainda mais a organização não apenas na base do time, em Americana, como também nos boxes dos circuitos ao redor do Brasil com a Stock Car.
 
Ao GRANDE PRÊMIO, Thiago Meneghel destacou a chance de acompanhar de perto os trabalhos da F1 em Interlagos para se inspirar e trazer um pouco das ideias das equipes do Mundial para aplicar no cotidiano da Stock Car. 
 
“É um outro mundo. A gente olha tudo isso aqui com o objetivo de conseguir espelhar alguma coisa. E, ao mesmo tempo, é muito legal ter a oportunidade de trazer o pessoal da equipe para acompanhar de perto, para ver o nível de excelência que existe aqui. E tentar, também, levar um pouco disso para lá no que a gente faz”, comentou.
 
Entre os tantos fatores que fazem parte do meticuloso mundo da F1, dois quesitos chamaram a atenção do chefe da Shell V-Power. “O perfeccionismo e a organização são impressionantes. Só de poder estar meia hora aqui já dá para abrir um pouco a mente para as outras coisas”, disse o engenheiro.
 
Essa troca de experiências não é uma novidade para a Shell V-Power. Em 2017, uma comitiva da equipe foi enviada para a Alemanha, mais precisamente para Hockenheim, palco da etapa de abertura da temporada daquele ano no DTM. O time tinha Vicente Sfeir, Thiago Meneghel, Ricardo Zonta, Átila Abreu, Marcos Laborda e Gianluca Petecof, que acompanharam de perto os trabalhos da BMW com o piloto Augusto Farfus, patrocinado pela Shell.
 
Gimenez salientou a complexidade do mundo da F1, mas lembrou que é possível trazer algumas boas ideias para o universo da Stock Car.
 
“É um mundo diferente, mas a gente pode adaptar algumas coisas do dia a dia para o nosso mundo. A gente já viu algumas coisas, com o pessoal montando as porcas da roda, algo muito próximo do que fazemos na Stock Car. O processo é diferente, mas é possível adaptar certas coisas”, explicou.
 
A experiência e o aprendizado, em nível de excelência tão alto como o da F1, só proporciona uma melhora em todos os sentidos à Shell V-Power: seja dentro, seja fora da pista e também na filosofia de evolução contínua na busca pelos melhores resultados na principal categoria do automobilismo nacional. “A ideia é sempre melhorar e buscar alguma coisa que a gente acha importante. É, de fato, muito diferente”, finalizou.