Campeão da MotoGP, Hayden sofre acidente de bicicleta na Itália e é internado em estado grave

Nicky Hayden, campeão da MotoGP, estava andando de bicicleta na cidade de Riccione quando foi acertado por um carro. O americano bateu contra o para-brisa antes de cair no asfalto. De acordo com a publicação ‘Riminitoday’, o estado de saúde é grave

A quarta-feira (17) começou com notícias preocupantes. Nicky Hayden, campeão da MotoGP em 2006 e atual piloto da Honda no Mundial de Superbike, se envolveu em um sério acidente na cidade italiana de Riccione. O piloto americano foi atropelado por um carro enquanto treinava de bicicleta e, por conta da gravidade do impacto, foi imediatamente levado ao hospital Infermi di Rimini.

O estado de saúde foi inicialmente considerado grave, de acordo com a publicação ‘RiminiToday’, e depois aumentado para crítico. Hayden aponta traumas severos na cabeça e na região do tórax.

 
Hayden estava com um grupo de ciclistas. Em um acidente de circunstâncias que ainda não estão claras, o piloto foi acertado pelo carro, um Peugeot. Depois de um impacto contra o capô, Nicky acertou o parabrisa antes de cair no asfalto. A bicicleta ficou destruída.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Nicky Hayden representa a Honda no Mundial de Superbike (Foto: Honda)
O acidente logo foi confirmado pela MotoGP e pelo Mundial de Superbike. As duas categorias se manifestaram através das redes sociais, desejando a recuperação de Hayden.

O piloto foi transferido inconsciente para o pronto-socorro local de Rimini e, dada a gravidade, na sequência, para o hospital Bufalini, na cidade de Cesena.

Hayden teve longa carreira na MotoGP, competindo em tempo integral entre 2003 e 2016. O ponto alto foi a temporada 2006, quando o americano derrotou Valentino Rossi em uma briga acirrada pelo título. Sem apresentar o brilho de outrora nos últimos anos, Nicky topou representar a Honda no Mundial de Superbike. Em 2016, seu primeiro ano completo no certame, o piloto venceu uma corrida e fechou a temporada em quinto. A temporada 2017 começou com resultados medianos – a melhor posição de chegada foi um sétimo lugar na Tailândia. No último final de semana, em Ímola, abandonou uma prova e foi 12º na outra.

Nicky Hayden foi atropelado por um carro na Itália (Foto: Marzio Biondi)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Nicky Hayden nasceu na cidade de Owensboro, no Kentucky, em 30 de julho e tem 35 anos. É o último piloto norte-americano campeão mundial da MotoGP De trajetória diferente da maioria dos competidores do Mundial de Motovelocidade, o piloto ganhou notoriedade com grandes performances no Campeonato Americano de Superbike, categoria na qual se consagrou campeão em 2002. Antes disso, já havia vencido a AMA Supersport 600 com a Honda em 1999.

Nicky ainda faria uma participação em 2002 na rodada de Laguna Seca do Mundial de Superbike. E o desempenho chamou atenção, tanto que, na temporada seguinte, Hayden já estava na MotoGP, defendendo a equipe de fábrica da Honda. 

 
Com os japoneses, o piloto foi quinto colocado em seu ano de estreia em 2003. A carreira do americano. então, evoluiu ao longo dos anos: em 2005, veio a primeira vitória na MotoGP e logo em casa: com direito a pole em Laguna Seca, Hayden subiu ao topo do pódio pela primeira vez em 10 de julho. Além da vitória na Califórnia, o piloto faturou ainda outros cinco pódios e duas poles para terminar em terceiro lugar. Mas o grande ano veio em 2006. Ainda andando com a marca nipônica, Hayden se tornou campeão mundial, vencendo Valentino Rossi, por apenas cinco pontos.

Foram dois triunfos de Hayden naquele ano, contra cinco de Rossi. No entanto, a consistência do americano da Honda e a regularidade foram decisivos para que ele conquistasse sua maior glória na carreira.

 
Nicky ficou mais duas temporadas na esquadra japonesa antes de, em 2009, assinar contrato com a Ducati. Pela equipe italiana, o norte-americano disputou cinco campeonatos, tendo o italiano multicampeão do Mundial como companheiro em duas temporadas. Sem sucesso com a difícil moto de Borgo Panigale, Hayden ainda correr na pequena Aspar entre 2014 e 2015. Sua última aparição na MotoGP aconteceu no passado, quando defendeu a Marc VDS na Espanha e a Honda na etapa de Austrália, onde foi chamado para substituir o lesionado Dani Pedrosa.
 
Atualmente, Hayden corre pela equipe de fábrica da Honda no Mundial de Superbike. No último fim de semana, o piloto disputou a rodada de Ímola. Nicky não terminou a primeira corrida, mas completou a segunda em 12º.
MENINO THOMAS MOSTRA LADO HUMANO DA F1 E AQUECE ATÉ CORAÇÃO DO ‘HOMEM DE GELO’ RÄIKKÖNEN

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube