Superbike

Com Bautista invicto, Ducati brinca com bônus salarial: “Estamos nos matando, mas com um sorriso no rosto”

Diretor-esportivo da Ducari, Paolo Ciabatti brincou em entrevista ao site italiano ‘GPOne’ sobre os custos extras das vitórias de Álvaro Bautista no Mundial de Superbike. O espanhol venceu todas as 11 provas disputadas até aqui

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
O impressionante domínio de Álvaro Bautista no Mundial de Superbike está pesando nos cofres da Ducati. Diretor-esportivo da marca, Paolo Ciabatti brincou que as vitórias estão “nos matando”, mas deixou clara a alegria com os resultados.
 
Recém-chegado ao Mundial de Superbike, Bautista venceu todas as 11 provas disputadas neste início de temporada.
 
De acordo com o site italiano ‘GPOne’, o contrato de Álvaro conta com um salário base, mas prevê bonificações por vitórias. Segundo a publicação, o montante gira em torno de € 200 mil (cerca de R$ 884 mil), mas, pelas redes sociais, o #19 contestou o valor.
Álvaro Bautista (Foto: Ducati)
Resultado de imagem para emoji microfonePaddockast #14: O melhor piloto de MotoGP de todos os tempos



 Ouça no Spotify
 Ouça no iTunes
 Ouça no Android
 Ouça no playerFM

“Falam de cifras... Nem sempre (de fato, quase nunca) coincidem com a realidade... Mas não é só o piloto que tem recompensas por resultados, a equipe técnica também”, escreveu.
 
O diretor-esportivo explicou que os custos do time são divididos quase por igual com Stefano Cecconi, diretor-executivo da Aruba, patrocinadora principal da equipe, mas assumiu que o bônus é pago pelas duas partes.
 
“A realidade é que os custos da Superbike estão igualmente divididos entre a Aruba e a Ducati”, contou Ciabatti. “Talvez não seja exatamente 50-50, mas é bem próximo”, seguiu.
 
Questionado se o bônus por vitórias fica na conta apenas da patrocinadora, CIabatti respondeu: “Não, nós dois pagamos”.
 
“Nós estamos nos matando, mas com um sorriso no rosto”, brincou.
 
O ‘GPOne’ afirma, ainda, que o contrato de Bautista deixa a porta aberta para um eventual retorno à MotoGP, mas, também pelas redes sociais, o piloto desmentiu a informação.
 
“Ou eu tenho memória ruim ou não me lembro dessa cláusula... Vou revisar para ver se está nas letras pequenas”, completou.