Investigação conclui que Hayden ignorou sinalização, mas vê responsabilidade também de motorista em acidente fatal

Encarregado pelo vice-promotor Paolo Gengarelli da investigação do acidente, o consultor Orlando Omicini dividiu entre Nicky Hayden e o motorista do Peugeot 206 a responsabilidade pelo acidente que tirou a vida do campeão de 2006 da MotoGP

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

O acidente que resultou na morte de Nicky Hayden não teve um único culpado. Encarregado pelo vice-promotor Paolo Gengarelli pela investigação, o consultor Orlando Omicini afirmou que campeão de 2006 da MotoGP ignorou a sinalização ao passar por um cruzamento, mas o motorista do Peugeot 206 tampouco estava na velocidade permitida.
 
Nascido no Kentucky, Hayden morreu em 22 de maio em decorrência das lesões sofridas ao ser atropelado enquanto pedalava nas cercanias de Rimini. O piloto tinha 35 anos.
Nicky Hayden atravessou cruzamento ignorando sinalização e foi atingido por motorista acima da velocidade permitida (Foto: Markus Berger/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

De acordo com a agência de notícias ANSA, a investigação concluiu que se o motorista estivesse cumprindo o limite de 50 km da via, “reagido e freado, e continuado em velocidade constante, o incidente teria sido completamente evitado”.
 
O Ministério Público entende, entretanto, que Hayden foi corresponsável pelo acidente, já que entrou no cruzamento a uma velocidade de cerca 20,6 km/h “se omitindo em parar e dar a preferência”.
 
De acordo com a agência, o motorista de 30 anos contesta a acusação de homicídio viário ― previsto do código penal italiano por conta de uma lei de iniciativa popular de 2010 ―, “pois, no contexto da causa independente da conduta culposa do ciclista, ele causou a morte por culpa consistida em negligência ou imprudência ― não tendo mantido a conduta adequada em relação às condições do local ― e, de qualquer forma, a culpa consiste no descumprimento das regras de trânsito”.
 
O Ministério Público entende que houve corresponsabilidade no acidente, já que Hayden atravessou um cruzamento sem obedecer a sinalização e o motorista circulava acima dos 50 km/h indicados para uma área residencial, chegando a 72,8 km/h.
’SOLDADINHO’ DA PENSKE?

CASTRONEVES TEM FALTA DE TÍTULO COMO MANCHA NA CARREIRA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube