Truck

Col fala em resgate da credibilidade e dá nota 9,5 para temporada 2018 da Copa Truck

O chefão da Copa Truck, Carlos Col, faz uma análise positiva da categoria dos caminhões e diz que os objetivos iniciais foram cumpridos
Warm Up / VINÍCIUS PIVA, de São Paulo
 Foto: Duda Bairros
A Copa Truck encerrou no início de dezembro sua segunda temporada - a primeira com a chancela de campeonato brasileiro. Ao fim das nove etapas que coroou Roberval Andrade campeão, o balanço do ano é positivo, segundo Carlos Col, CEO da Mais Brasil, organizadora do campeonato dos caminhões. 
 
Na visão do chefão da categoria, embora ainda exista boa margem para evolução, a Copa Truck deu alguns sinais claros de progressão na comparação com 2017.
 
"Faço uma análise de sucesso de tudo o que ocorreu, os objetivos foram atingidos, mas temos objetivos muito mais altos para a categoria. Este mercado me faz pensar que posso sonhar alto aqui. Mas é questão de tempo, trabalho e reconstrução", afirmou o dirigente.
 
Um dos pontos destacados por Col foi o resgate da credibilidade da categoria, sobretudo junto ao mercado de pesados. E que essa dose extra de confiança pode render ótimos frutos para a categoria no futuro.
 
"A gente conseguiu resgatar em boa parte a credibilidade da categoria junto às montadoras e os grandes players do negócio, e tudo isso nos mostra que com o crescimento do mercado de caminhões, em função do crescimento econômico, podemos sonhar com anos muito bons pela frente", acrescenta.
Carlos Col (Foto: Duda Bairros)
No que diz respeito à competitividade, o homem-forte da Truck considera que há um enorme espaço para melhora, e que, nesse ponto, 2018 foi um ano de aprendizado e colheita de informações. 
 
"Em termos de competitividade muito mais aprendi onde estão os erros este ano, mas pude dar poucas soluções. Pretendo dar boas soluções já no ano que vem em cima do aprendizado deste ano. Acho que temos de melhorar muito, mas o nível técnico começou a melhorar", completou.
 
Esse, aliás, será um dos focos para 2019, junto da expansão da visibilidade da categoria. "Vamos trabalhar na competitividade entre as marcas, a gente está fazendo muitas análises e conversando com fornecedores dos vários itens do caminhão, principalmente de motor, turbina, pistões, injeção eletrônica para melhorar a disputa entre as marcas e as equipes." 
 
"Do ponto de vista promocional, estamos trabalhando em uma série de projetos e ideias para aumentar a visibilidade da categoria. Não estamos dando passos extraordinários, a gente quer andar sempre para frente, devagar, mas com consistência", destacou. 
 
Por fim, o chefão da categoria dos caminhões avaliou com notas a temporada 2018. "Em relação ao que acho que ela pode ser, eu daria nota 6. E para o que ela foi em relação ao que ela estava no ano passado, eu daria 9,5", encerrou Col.