Losacco lembra temporada de altos e baixos, diz que título é difícil, mas avisa: “Não vou desistir”

Giuliano Losacco, que faz sua primeira temporada na Copa Truck, entende que não será nada fácil ficar com o título máximo da categoria, em Curitiba (PR). Porém, o único representante da Iveco na Grande Final afirmou que vai lutar pelo caneco até o fim

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Giuliano Losacco teve um início arrasador na Copa Truck. Logo em seu primeiro fim de semana junto à categoria, em Cascavel, foi sétimo na corrida 1 e aproveitou a pole-position para vencer a segunda corrida do domingo no Paraná. Um mês depois, no encerramento da Copa Sul, em Guaporé (RS), foi mais uma vez sétimo e depois segundo. Assim, terminou a primeira copa regional da temporada 2018 em segundo lugar, só atrás do campeão Wellington Cirino.

 
E foi exatamente esse troféu de prata conquistado na Copa Sul que deu ao representante da Iveco o direito de disputar o título máximo da categoria, em Curitiba (PR), no próximo dia 2 de dezembro. 
 
Em catorze corridas disputadas até aqui, o bicampeão da Stock Car somou quatro pódios, com uma vitória (Cascavel), um segundo (Guaporé), um terceiro (Goiânia) e um quarto (Campo Grande). Por outro lado, abandonou as primeiras corridas em Rivera e Curvelo, e nem sequer conseguiu largar na corrida 2 do Uruguai e de Minas Gerais. Em Interlagos, não correu porque seu caminhão não chegou no autódromo por conta da paralisação nacional dos caminheiros, que afetou todo o país.
Giuliano Losacco (Foto: Vanderley Soares)
"Foram altos e baixos. Mas no geral foi bom", avalia Losacco. O #90 se diz satisfeito com seu campeonato até aqui, embora não tenha conseguido se manter no topo depois de um início surpreendente. 
 
"Foi boa [a temporada]. Difícil essa transição do carro para o caminhão, é muito diferente. Demora a entender como funciona e chegar no limite do caminhão. Deixei claro desde o começo que este ano seria para aprender, e conseguimos classificar para a Grande Final. O ponto alto foi a minha estreia na Copa Sul, consegui ser vice-campeão e foi muito legal", comenta.
 
"Em Goiânia fizemos um terceiro na corrida 1 e na corrida 2 acabou a água do freio e fui sexto. Fiquei em quarto na Copa Centro-Oeste, fiquei triste porque ficou pertinho de terminar entre os três primeiros", lamentou Losacco, que chega a Curitiba com 210 pontos.
 
Losacco reconhece que sair com o título da Grande Final é tarefa das mais complicadas. No entanto, garantiu que vai brigar até o fim. 
 
"Temos 210 pontos, sei que é difícil, mas não vou desistir, a esperança é a última que morre. É torcer para dar tudo certo com o caminhão, largar bem e somar muitos pontos", encerrou.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

assine agora