Truck

Terceiro no campeonato, Cirino diz que falta de velocidade na reta foi “surpresa” em Curitiba

Wellington Cirino chegou a Curitiba como forte candidato, mas não conseguiu brigar diretamente pelo título brasileiro da Copa Truck com Felipe Giaffone e Roberval Andrade. O piloto da Mercedes se disse surpreso com a falta de velocidade de seu caminhão na reta do circuito paranaense
Warm Up / VINÍCIUS PIVA, de São Paulo
 Wellington Cirino foi ao pódio em Curitiba (Foto: Duda Bairros)
Welington Cirino prometeu agressividade para ficar com o título nacional da Copa Truck em 2018. Empenho, dedicação e comprometimento não faltaram para o piloto da Mercedes-Benz. O que faltou, no fim das contas, foi mais velocidade de seu caminhão na reta.
 
Sem conseguir fazer frente sobretudo a Felipe Giaffone e Roberval Andrade, o #6 teve de se contentar com um quarto lugar na corrida 1 e um terceiro na segunda prova do dia. Com os pontos somados, terminou o campeonato na terceira posição e levou um troféu de bronze para casa.
 
"Chegamos aqui com uma diferença grande de seis pontos, as bonificações das Copas Sudeste e Centro-Oeste fizeram falta. O campeonato e o regulamento mostraram a verdade, a gente precisa trabalhar um pouco a velocidade nas retas, que foi uma deficiência nossa em Curitiba. Na verdade foi uma surpresa", revelou.
Wellington Cirino não teve ritmo para acompanhar os rivais na luta pelo título (Foto: Duda Bairros)
O experiente piloto, porém, minimizou o fato de não ter sido tão competitivo em Curitiba, e celebrou a equipe AM Motorsport e a categoria dos caminhões como um todo.
 
"Mas não faltou nada, estou muito contente com a nova Copa Truck com a administração da Mais Brasil. A equipe do André [Marques] é maravilhosa, se tornou competitiva praticamente em seu primeiro ano. Estamos de parabéns e agora é focar no ano que vem", acrescentou.
 
"Em 2019, teremos um terceiro caminhão, vamos precisar trabalhar muito para buscar o campeonato e sabemos quais são os pontos-chave", encerrou.