W Series

“Não poderia pedir por nada melhor”: Kimiläinen avalia estreia da W Series

Emma Kimiläinen foi uma das 18 pilotas que fizeram parte da primeira temporada de vida da W Series. Após uma vitória, três pódios e uma quinta colocação final na classificação, a finlandesa avaliou a estreia da categoria exclusivamente para mulheres, não poupando elogios

Grande Prêmio / NATHALIA DE VIVO, de São Paulo
Emma Kimiläinen foi uma das 18 pilotas que compuseram o grid de estreia da W Series. Com seis etapas, a categoria exclusivamente para mulheres teve boa avaliação após a conclusão do primeiro campeonato, com a finlandesa reforçando os elogios.
 
A categoria, chefiada por Catherine Bond Muir, ex-advogada esportiva, disputou todas as etapas em formato de rodada única e preliminares do DTM. Foram visitados cinco países, todos europeus, em circuitos bastante tradicionais, como Hockeheim e Misano.
 
O processo seletivo, que teve mais de 100 nomes interessados em um primeiro momento, contou com duas etapas, que selecionou no final as 18 competidoras e mais duas pilotas de teste. Então, Emma contou como se envolveu com a W Series. 
 
“Os caçadores de talentos da categoria entraram em contato e então me inscrevi, pois todas nós precisamos fazer isso. Tiveram mais de 100 interessadas e fui uma das 60 escolhidas para participar da seleção das pilotas, que aconteceu em Melk, na Áustria, em janeiro”, falou com exclusividade ao GRANDE PRÊMIO.
Emma Kimiläinen (Foto: W Series)
“Nossas habilidades de pilotagem, além de avaliações psicológicas, físicas e de como lidamos com a mídia foram feitas. 28 de nós passamos para a próxima parte do processo, onde testamos o carro da F3 em Almeria, Espanha, em março. Ali fui escolhida como pilota da W Series com outras 17 competidoras”, continuou.
 
A categoria encerrou o campeonato no último dia 11 de agosto, com uma corrida em Brands Hatch, que teve vitória de Alice Powell e título de Jamie Chadwick. E qual a avaliação do primeiro ano de existência da W Series?  “A W Series superou minhas expectativas. Fiquei impressionada como foi profissional. Todas as pilotas foram capazes de se focar em apenas serem atletas, sem nenhuma política envolvida”, afirmou.
 
“Tivemos o privilégio de trabalhar com uma das melhores operadoras de corrida do mundo, a Hitech GP, e tivemos cuidado de saúde e fitness da Hintsa Performance, uma companhia em que médicos e treinadores cuidam de muitos pilotos da F1 e outros atletas de ponta”, seguiu.
 
“Além disso, fomos custeadas e não precisamos lidar com nenhum gasto relacionado a corrida. Então não poderia pedir por nada melhor. Sou muito agradecida e honrada por estar envolvida em uma organização e categoria tão profissionais”, completou.
 
O carro, um Fórmula 3 com halo acoplado, também foi aprovado por Emma, que ainda esperava mais corridas no calendário. “O carro é muito moderno e confiável. Foi uma ótima escolha para o início do campeonato. O formato do campeonato foi bom, talvez pudéssemos ter mais algumas corridas, talvez duas por final de semana, ou então mais eventos e isso seria ainda melhor.”
A W Series em Assen (Foto: W Series)
Das seis corridas disputadas, Kimiläinen correu apenas três, pois logo na primeira etapa acabou se envolvendo em um acidente e lesionando o pescoço. Com isso, ficou fora das duas provas seguintes, algo que lamentou. “[O começo da temporada] Foi certamente ruim para mim por causa da minha lesão no pescoço, que sofri na primeira corrida e tive que ficar fora das próximas duas”, avaliou.
 
“O balanço [do campeonato] foi 50/50. Corri três corridas com dois pódios e volta rápida em cada uma das provas. Fiquei em quinta no campeonato no final e estou muito feliz com isso. Há sempre coisas a melhorar e você precisa de um pouco de sorte para ter sucesso, então espero que a sorte esteja do meu lado no próximo ano, quando for atrás do título”, emendou.
 
Mas a pilota conseguiu ainda assim entregar bons resultados no restante de sua campanha, conseguindo uma vitória e mais dois pódios, encerrando a classificação na quinta colocação com 53 pontos conquistados. “Esperava muitas vitórias antes do início da temporada, mas consegui apenas uma, então tenho que ficar feliz com isso e seguir com o trabalho duro na próxima temporada para conseguir mais.”
 
Por fim, Emma mostrou muita satisfação de ter feito parte da primeira temporada. “Sabia que a W Series seria enorme por causa da maneira que tudo foi feito e com isso digo nível das categorias top profissionais. Foi ótimo que a audiência nos encontrou e realmente curtiu assistir as corridas. Elas são bastante boas e divertidas, devo admitir”, apontou.
Emma Kimiläinen (Foto: W Series)
“Como disse antes, foi um privilégio estar envolvida. A equipe da W Series fez um ótimo trabalho durante a temporada e admiro cada um deles, não importa se trabalharam na comunicação, com os carros, em nos receber, com finanças ou pilotas”, comentou.
 
“Falando das competidoras, todas foram incríveis. Tivemos um ótimo espírito entre nós mesmo correndo umas contra as outras. É realmente raro isso e foi maravilhoso encontrar essas ótimas personalidades”, encerrou.
 
Os primeiros detalhes da temporada 2020 da W Series já começaram a surgir. A chefona da categoria já explicou que as 12 primeiras colocadas têm lugar garantido no grid e já detalhou o processo seletivo para o campeonato.
 

Paddockast #29
ONE HIT WONDERS DO ESPORTE A MOTOR


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.