DO PÉSSIMO INÍCIO AO RENASCIMENTO:  A MCLAREN NA F1 2023

A McLaren começou 2023 de um jeito estranho, baixando suas próprias expectativas

Segundo a equipe, o carro só seria competitivo a partir do meio do ano

E isso se confirmou nas primeiras corridas, com desempenhos terríveis de Norris e Piastri

Os primeiros pontos vieram na 3ª prova, em meio ao caos do GP da Austrália, com os dois pilotos

Mas a McLaren seguiu como coadjuvante

E viu até seu recorde de invencibilidade ser quebrado pela Red Bull

Nas 6 etapas entre Austrália e Canadá, o time só pontuou mais duas vezes: em Baku e Mônaco

A McLaren prometia mudanças a partir do GP da Áustria, que chegaria em julho

E elas vieram: Norris largou e chegou em 4º, melhor resultado de 2023 até ali

Na Inglaterra, nova melhora, e Lando chegou em 2º. Piastri foi 4º, completando a alegria geral

E a excelente fase se manteve na Hungria, com mais um 2º lugar para Norris. Piastri, em 5º, não decepcionou

Então, os rivais passaram a temer a evolução do time inglês

E ressaltaram a melhora de ritmo da McLaren após as atualizações da Áustria

Na Bélgica, entretanto, o nível voltou a cair um pouco

A saída para as férias acontece em um momento de alta, mas com a preocupação de seguir evoluindo

Norris é o 8º no Mundial de Pilotos, com 69 pontos

Piastri é o 11º, com 34 tentos em seu primeiro ano de F1

Em 5º lugar nos Construtores, a equipe tem 103, 88 atrás da Ferrari e 46 à frente da Alpine

E aí, como vai terminar o 2023 da McLaren?