NOVA MONTADORA

Red Bull confirma intenções e cria departamento próprio para cuidar das unidades de potência vindas da Honda, que deixa a F1 ao fim de 2021

A Red Bull vai passar a cuidar dos próprios motores até a nova geração de 2025. A equipe assume o projeto da Honda e, com a tecnologia dos japoneses, preparar as próprias unidades de potência a partir de 2022.

ASAS POTENTES

Com isso, a Red Bull se transforma, também, em uma espécie de fabricante de motores.

A medida vale também para a AlphaTauri, que passa a partir de 2022 a usar os motores desenvolvidos pela Red Bull.

Mas você se lembra quantos motores a Red Bull teve na Fórmula 1?

Assim que a Red Bull assumiu o controle da Jaguar, a equipe começou sua jornada na F1 com os motores Cosworth em 2005.

No ano seguinte, a Red Bull fechou um acordo que, hoje, parece impossível: correr com motor Ferrari. Mas foi algo de uma temporada só.

A partir de 2017, a Renault passou a empurrar os carros dos energéticos. Foi com a fábrica francesa que conquistaram seus quatro títulos na F1, todos com Sebastian Vettel entre 2009 e 2013.

Sem títulos, o desgaste com a Renault começou a ficar evidente. E sem ter como negociar com outra montadora, a Red Bull foi arrumando maneiras de esconder a parceira. Entre 2016 e 2018, correu com os 'motores' TAG Heuer.

Acompanhe toda a cobertura da F1 no GRANDE PRÊMIO.