F1
20/02/2018 12:02

Renault apresenta R.S.18 com mais preto e define meta principal para temporada 2018: voltar ao top-5 da F1

O R.S.18, carro da Renault para a temporada 2018, foi revelado. Trata-se do modelo responsável por guiar a equipe rumo a objetivos claros: seguir evoluindo no terceiro ano de F1 e, se tudo der certo, entrar de vez no top-5 do Mundial de Construtores
Warm Up / VITOR FAZIO,  de Porto Alegre
 O R.S.18 (Foto: Renault)

2018 começa com uma palavra de ordem para a Renault: evoluir – assim como em 2016 e 2017. A equipe, sexta melhor na temporada passada, busca o próximo passo no ambicioso projeto de crescimento na F1. E aquele que pode ser o maior responsável por pódios – ou até vitórias – foi revelado nesta terça-feira (20): o R.S.18 veio ao mundo mantendo a pintura em amarelo e preto e com a já esperada presença do Halo e ausência da barbatana de tubarão.

Mas quem esperava uma pintura muito parecida com a de 2017 se surpreendeu. Amarelo e preto ainda são as cores principais, mas o tom escuro virou protagonista. O tom mais claro, por sua vez, é visto principalmente no bico e em detalhes na traseira. Em termos de desenho do carro, pouco mudou: salvo aquilo que precisou mudar por causa do regulamento, a equipe manteve o carro sem grandes revoluções.
 
A expectativa é de que a evolução leve a Renault ao top-5 no Mundial de Construtores. Este já era o objetivo em 2017, quando a equipe acabou em sexto, consequência de uma temporada inconstante e cheia de problemas mecânicos. Para cumprir a missão, os franceses precisam ficar de olho em Force India e Williams – rivais diretos do pelotão intermediário – e McLaren, otimista após romper com a Honda para andar justamente com o motor gaulês.
O R.S.18 (Foto: Renault)

Diretor-geral da Renault, Cyril Abiteboul deixou claro que a meta é mesmo essa, a de seguir em evolução para de fato em breve voltar a figurar entre as ponteiras do grid, como aconteceu na década passada. “O ano passado foi bem-sucedido em muitas formas. Foi o segundo ano da nossa reconstrução e um passo adiante dos nossos objetivos e planos de longo prazo”.
 
“2016 foi sobre recrutar pessoal, investir, trazer novos patrocinadores, novos talentos e construir nossa marca. Foi uma evolução quantificada no nosso objetivo de desafiar as equipes de ponta. Nosso objetivo principal para 2018 é continuar mostrando evolução por meio dos resultados. Queremos conseguir mostrar nossa evolução em cada aspecto: unidade de potência, chassi, operações, pilotos”, declarou o engenheiro francês.

“Tudo deve melhorar e nós devemos continuar crescendo. Queremos demonstrar isso de diferentes formas. Desde as equipes com as quais nós corremos contra, a diferença para as líderes, incluindo nossos fãs e o respeito que nossa equipe vai inspirar na nossa forma como nos comportamos dentro e fora da pista”, complementou.

Depois de se firmar como potência entre as equipes médias, o passo seguinte naturalmente é brigar por vitórias e títulos. Mas a Renault sabe que isso não deve acontecer com o novo R.S.18.
 
"É um caminho muito longo até você se tranformar em um time do nível que são Red Bull e Mercedes”, considerou Hülkenberg, entrevistado pelo site norte-americano 'Motorsport.com'. “O investimento que estamos fazendo, modernizando tudo, acho que só colheremos o resultado em dois ou três anos, até que tudo esteja funcionando bem e a gente esteja totalmente com ideias alinhadas", disse.
O R.S.18, acompanhado de Nico Hülkenberg e Carlos Sainz Jr. (Foto: Renault)

A dupla de pilotos que terminou 2017 é a mesma que inicia 2018. Nico Hülkenberg, comprometido com o projeto de longo prazo, nem cogitou sair. Carlos Sainz Jr., contratado às pressas para substituir Jolyon Palmer no fim do ano, também segue. A dupla ainda não conseguiu resultados de expressão na F1, mas se caracterizou por fazer o possível com carros do pelotão intermediário.
 
Os primeiros passos da temporada 2018 da F1 vão ser dados em 26 de fevereiro, com o começo dos testes de pré-temporada em Barcelona. O primeiro GP fica para 25 de março, quando os carros começam a competir na Austrália.