Juncadella derrota Auer na estratégia e vence corrida 1 do DTM em Brands Hatch. Farfus é 2º

A primeira vitória de Daniel Juncadella no DTM veio com o apoio de uma estratégia acertada – o espanhol parou uma volta antes do líder Lucas Auer, ganhando tempo com pneus novos e tomando posição. Augusto Farfus também superou Auer, assegurando o primeiro pódio desde maio de 2016

Em uma corrida do DTM que teve a estratégia como protagonista, Daniel Juncadella soube usar bem suas cartas. Pole, o espanhol perdeu a liderança para Lucas Auer na primeira volta, mas recuperou ao antecipar a parada obrigatória. Ganhando tempo com pneus novos, Juncadella encaminhou o triunfo na primeira corrida do fim de semana em Brands Hatch, neste sábado (11).
 
Juncadella parou uma volta antes de Auer e até voltou atrás em um primeiro momento, mas os pneus aquecidos permitiram uma ultrapassagem sobre o austríaco instantes depois. Quem também aproveitou a vulnerabilidade foi Farfus, que fez a manobra e garantiu o segundo lugar. Trata-se, inclusive, do primeiro pódio do brasileiro no DTM em mais de dois anos – o último veio em maio de 2016, em Hockenheim.
 
Farfus até chegou a sonhar com briga pela vitória, ficando 1s atrás de Juncadella após o ciclo de pits. O problema é que o espanhol logo imprimiu um ritmo superior, abrindo mais de 4s de vantagem em seguida. Foi a chave para vencer pela primeira vez no DTM.
Daniel Juncadella venceu pela primeira vez no DTM (Foto: DTM)
René Rast cruzou a linha de chegada em quarto, enquanto Philipp Eng foi quinto. A zona de pontos ainda contou com Gary Paffett, Pascal Wehrlein, Edoardo Mortara, Marco Wittmann e Robin Frijns.
 
O DTM ainda tem uma segunda corrida em Brands Hatch, neste domingo. Depois, a categoria parte para Misano no fim de semana de 25 e 26 de agosto.

Saiba como foi a corrida 1 do DTM em Brands Hatch

 
A corrida começou com uma largada ruim do pole Daniel Juncadella, que deu uma derrapada ao acelerar e se viu superado por Lucas Auer, novo líder. A dupla se manteve assim, mas o que realmente chamou atenção foi o número de pilotos que foi aos boxes de imediato, ao fim da primeira volta.
 
Rast, Glock, Di Resta, Frijns, Spengler e Duval foram aos boxes, apostando na estratégia. Já renderia frutos: Duval perdeu controle e bateu já na segunda volta, causando o acionamento de bandeira amarela localizada. Wittmann e Müller aproveitaram para parar também, tentando alguma vantagem sobre os que esperariam mais tempo. Assim, oito dos dez pilotos do grid já estavam com pneus trocados.
Augusto Farfus teve o melhor resultado do ano em Brands Hatch (Foto: DTM)
Na frente, o top-5 seguia com Auer e Juncadella, além de Farfus, Eng e Paffett. Juncadella seguia colado no líder e companheiro, mas não a ponto de desenvolver uma ultrapassagem.
Enquanto as duas Mercedes brigavam na pista, as duas BMW que vinham atrás também pararam. Farfus e Eng vieram aos boxes na volta 5, voltando na frente de todos que entraram antes. Era um belo negócio para o brasileiro, agora sétimo e com pista livre para acelerar, ‘marcando’ os que parariam depois.
 
A marcação não deu tão certo, já que Juncadella parou na volta 8 e voltou na frente de Farfus, efetivamente virando o líder dentre os que já tinham parado. Somente Auer, Mortara, Wehrlein e Green seguiam com pneus velhos.
 
Auer parou na volta 9 com a missão de não perder posição para Juncadella. Fracassou: Lucas até voltou na frente, mas foi traído pelos pneus frios e acabou superado pelo espanhol. Farfus, que vinha logo atrás, pegou carona e também passou.
Lucas Auer (Foto: DTM)
A volta 13 começou apenas com Wehrlein ainda com pneus velhos. O líder virtual era Juncadella, com Farfus, Auer, Rast e Eng atrás. O ex-F1 não tinha vantagem suficiente para ir aos boxes e voltar ainda na ponta.
 
Quando Wehrlein parou e voltou em sétimo, começou a ficar claro que a corrida estava se encaminhando para Juncadella. O espanhol não tinha grande vantagem sobre Farfus – 1s0 –, mas tinha direito ao uso de DRS 11 vezes. O brasileiro, por sua vez, só poderia usar mais cinco nos últimos 28 minutos de prova.
Se na frente a corrida vivia um momento de estabilidade, o mesmo não podia ser dito do pelotão intermediário. Na briga pelo décimo lugar, último na zona de pontos, Frijns fazia uma atuação defensiva para segurar Glock. O alemão tentou uma manobra sobre o holandês, mas que só rendeu perda de tempo. Green aproveitou para atacar o ex-F1, mas o grande vencedor foi Rockenfeller, que aproveitou o enrosco para passar os dois de uma vez só. Enquanto isso, Frijns seguia em décimo.
 
Na frente, a impressão era que tanto Juncadella quanto Farfus estavam satisfeitos com os resultados e estavam apenas cuidando dos carros para alcançar a bandeira quadriculada. Auer até ensaiava uma aproximação para cima do brasileiro, mas sem sucesso.

Assim, a corrida se encerrou sem novas ultrapassagens, mas com um resultado marcante. Juncadella venceu no DTM pela primeira vez, e acompanhado no pódio de um Farfus que encerrou incômodo jejum.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar