Endurance

Alonso quebra recorde da pista e entrega pole-position para Toyota nas 1000 Milhas de Sebring no WEC

Enquanto a F1 acelera na Austrália neste fim de semana, Fernando Alonso, do outro lado do mundo, segue sua trajetória no Mundial de Endurance. Na noite de quinta-feira, o espanhol quebrou o recorde histórico de Sebring e anotou a pole-position da etapa deste fim de semana
Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
Ao mesmo tempo em que a F1 abre a temporada 2019 com o início dos treinos livres para o GP da Austrália, o Mundial de Endurance acelera para sua primeira etapa do ano na supertemporada 2018/19. Em Sebring, no mesmo fim de semana da etapa do SportsCar, o WEC entra na sexta etapa do campeonato com a tendência de mais uma glória para a Toyota na LMP1. Nesta noite de quinta-feira (14) na Flórida, coube a Fernando Alonso realizar uma volta histórica para quebrar o recorde da pista e marcar a pole das 1000 Milhas de Sebring.
 
A bordo do Toyota Hybrid TS050 #8, Alonso, que compartilha o volante do protótipo com Kazuki Nakajima e Sébastien Buemi, cravou 1min40s124, recorde da antiga base aérea na Flórida. A luta era contra o Toyota #7, que teve Mike Conway e José María ‘Pechito’ López compartilhando o volante durante a classificação.
 
Conway, o primeiro dos dois pilotos do #7 a fazer volta rápida, ficou com tempo muito acima, registrando 1min41s063. A pole parecia assegurada para o #8 quando Kazuki Nakajima foi para a pista fazer sua volta. O japonês completou o tempo em 1min40s513, deixando a média da tripulação em 1min40s318.
Fernando Alonso festeja pole com quebra de recorde de Sebring (Foto: Toyota Gazoo Racing)
O argentino não conseguiu se aproximar sequer da marca de Nakajima e estabeleceu 1min40s544, deixando a média do Toyota #7 em 1min40s803, quase 0s5 atrás do #8 pilotado nesta quinta-feira por Alonso e Nakajima.
 
O melhor LMP1 não-híbrido foi da russa SMP. O trio formado por Stéphane Sarrazin, Egor Orudzhev e Sergey Sirotkin, outro piloto que estava no grid da F1 até o ano passado, superou a Rebellion de Nathanaël Berthon, Thomas Laurent e Gustavo Menezes e ficou na terceira posição, mas com tempo médio 2s412 acima da marca de Alonso e Nakajima.
 
Bruno Senna, que pilota o LMP1 #1 da Rebellion ao lado de Neel Jani e Mathias Beche, vai partir na sexta posição na prova, enquanto André Negrão, Nicolas Lapierre e Pierre Thiriet, com o LMP2 da equipe Signatech Apine Matmut, vai partir em décimo lugar no geral e em terceiro na classe, ficando atrás somente dos #38 e #37 da equipe Jackie Chan. A pole foi registrada por Gabriel Aubry e Stéphane Richelmi.
Fernando Alonso, Sébastien Buemi e Kazuki Nakajima (Foto: Toyota Gazoo Racing)
Na LMGTE-Pro, pole-position para a Porsche, com Michael Christensen e Kévin Estre a bordo do 911 #92. Em seguida, finalizaram dois Ford GT da Ganassi: o #67, pilotado por Andy Priaulx, Harry Tincknell e Jonathan Bomarito, e o #66, de Stefan Mücke, Olivier Pla e Billy Johnson.

A tripulação da BMW, formada pelo brasileiro Augusto Farfus, o luso António Félix da Costa e o canadense Bruno Spengler, ficou em quarto lugar na sessão, com o Chevrolet Corvette #63 dos experientes Jan Magnussen, Antonio García e Mike Rockenfeller fechando o top-5.
 
Daniel Serra, inscrito com a Ferrari #51 ao lado de Alessandro Pier Guidi e James Calado, vai partir em nono na classe. Já na LMGTE-Am, pole para a tripulação do Porsche 911 #77 pilotado por Christian Ried, Julien Andlauer e Matt Campbell.
 
A largada das 1000 Milhas de Sebring está marcada para 17h (horário de Brasília) desta sexta-feira.