Giovinazzi revela “quase ataque cardíaco” em vitória da Ferrari nas 24 Horas de Le Mans

Em seu ano de estreia em tempo integral no WEC, Antonio Giovinazzi ajudou a Ferrari quebrar um tabu de quase 60 anos na vitória nas 24 Horas de Le Mans

O dia 11 de junho de 2023 entrou para o grupo de datas inesquecíveis para os ferraristas. A Ferrari #51, guiada pelo trio Alessandro Pier Guidi, James Calado e Antonio Giovinazzi neste domingo (11), em Sarthe, encerrou um jejum de 58 anos ao conquistar a vitória na versão centenária das 24 Horas de Le Mans. Após pilotar o carro por 110 voltas, Giovinazzi revelou um quase ataque cardíaco ao acompanhar dos boxes o problema no hipercarro italiano, que simplesmente não ligava para o último stint e, por pouco, não impediu o triunfo histórico.

Desde o início do WEC 2023, a Ferrari mostrou que desenvolveu dois carros velozes em seu retorno à categoria. Entretanto, nas 1.000 Milhas de Sebring e 6 Horas de Spa, os hipercarros #51 e #60 sofreram com o elevado nível de desgaste de pneus e não conseguiram alcançar a esperada vitória. Porém, como o asfalto em Sarthe causa menos desgaste nos compostos, o desempenho veloz foi o divisor de águas para a conquista da histórica vitória nas 24 Horas de Le Mans.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Calado, Pier Guidi e Giovinazzi comemoram histórica vitória da Ferrari nas 24 Horas de Le Mans (Foto: WEC).

“Mostramos nas corridas anteriores que temos um carro rápido. Conseguimos a pole em Sebring e também fomos bem em Spa. Talvez nos faltasse um pouco de experiência, como a Toyota tem com a degradação dos pneus, mas Le Mans não era o circuito mais exigente nesse aspecto, então pudemos manter um ritmo melhor”, explicou Giovinazzi, em entrevista coletiva após a corrida.

O elevado desgaste de pneus não era o único problema que preocupava a Ferrari. A confiabilidade no modelo 499p, desenvolvido a menos de um ano, gerou apreensão em Giovinazzi, principalmente quando o carro demorou para pegar em duas paradas nos boxes, a última a 30 minutos para o final das 24 Horas de Le Mans.

“Estávamos preocupados pelo fato de ser uma corrida longa. Não esperávamos sobreviver por 24 horas, mas meus companheiros fizeram um ótimo trabalho.”, afirmou. “Tive um pequeno ataque cardíaco quando o carro não pegou, mas Alessandro estava no carro e, como ele é um engenheiro, sabia que resolveria o problema”, confessou o italiano, que competiu pela primeira vez nas 24 Horas de Le Mans.

Após o susto nos momentos decisivos da prova, Giovinazzi acompanhou de perto a Ferrari #51 ser conduzida por Pier Guidi até a bandeira quadriculada. Durante esse momento, o sonho de vencer em Le Mans tornou-se realidade. “Quando você é criança, sempre vê algumas corridas especiais como Le Mans, Indianápolis e, no meu caso, Monza na Fórmula 1. Ganhar aqui era um dos meus sonhos e hoje se tornou realidade”, exaltou.

“É uma vitória muito especial, colocamos o carro na pista há menos de um ano, e estar aqui já era fantástico. Graças à Ferrari, 50 anos depois, voltamos e vencemos em Le Mans. Temos de nos orgulhar”, finalizou.

Após a vitória nas 24 Horas de Le Mans, a Ferrari retorna à pista nas 6 Horas de Monza, quinta etapa do WEC, nos dias 7, 8 e 9 de julho.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias do GP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.