Endurance

Fittipaldi relembra ano difícil por acidente em Spa e admite: “Talvez voltei um pouco cedo demais”

Pietro Fittipaldi enfrentou um período bastante difícil em 2018. Em Spa-Francorchamps, sofreu um forte acidente em que quebrou suas duas pernas, precisando passar por cirurgia. Entretanto, dois meses e meio após o ocorrido, disputou a etapa de Mid-Ohio da Indy, marcando seu retorno para as pistas - volta essa que o piloto avaliou como preoce
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Pietro Fittipaldi enfrentou um período bastante difícil em 2018 com seu acidente em Spa-Francorchamps. Mas dois meses e meio após ter fraturado as duas pernas e passado por cirurgia, voltou para as pistas, atitude que considerou um pouco precoce.
 
Durante a classificação para a corrida do Mundial de Endurance, o brasileiro acabou escapando na Eau Rouge e estampou o muro da desafiadora curva. Isso o obrigou a pausar seus planos futuros, que incluíam um teste com a Haas.
 
Depois disso, entrou em um intensivo tratamento – o piloto montou acampamento dentro do circuito de Indianápolis, onde viveu em um motorhome. No final de julho, então, voltou para as pistas para correr a etapa de Mid-Ohio da Indy.
 
Olhando para trás e avaliando sua experiência, Pietro contou sobre o tratamento que fez e reconheceu que pode ter retornado antes do que deveria para dentro de um carro de corrida. “Este ano foi bastante difícil. Quebrei minhas duas pernas em Spa, em maio. Voltei para Indianápolis uma semana após minha cirurgia e estava vivendo dentro do circuito em um motorhome”, falou.
Pietro Fittipaldi (Foto: Reprodução/Twitter)
“O centro médico era logo do lado de fora de meu motorhome, então ia para lá todos os dias e fazia fisioterapia. Faziam tudo nas minhas pernas, foi um trabalho incrível. A Indy fez um trabalho muito, muito bom e eles me ajudaram muito”, continuou.
 
“Estava trabalhando sete ou oito horas por dia para voltar a correr o mais cedo possível. Voltei em Mid Ohio dois meses e meio após meu acidente e foi difícil retornar. Talvez tenha voltado um pouco cedo demais”, admitiu.
 
“Minha perna esquerda ainda estava quebrada, então isso foi difícil e bastante doloroso. Mas após minha primeira corrida, minha perna começou a melhorar e me sentia bem no carro. Corremos no top-10 e fomos consistentes lá, então estava feliz”, completou.
 
Entretanto, o ano de Fittipaldi terminou da melhor maneira possível. No GP do Brasil, a Haas anunciou o brasileiro como piloto de testes para 2019. “Com certeza esse ano foi difícil, mas fui capaz de voltar”, apontou.
 
“Estou completamente curado agora, estou realmente feliz sobre isso. Os médicos e cirurgiões fizeram um trabalho incrível e agora só estou ansioso com o futuro”, encerrou.