Série de azar em Le Mans faz pilotos da Toyota pedirem raça. E todos concordam: “Temos que ganhar essa corrida”

Kamui Kobayashi, Kazuki Nakajima e Nicolas Lapierre lamentaram contratempos durante a tradicional prova e não querem desistir do sonho de vencer a corrida com a montadora japonesa

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Nada deu certo para a Toyota durante a edição 85 das 24 Horas de Le Mans. Com três carros na prova e um rendimento impressionante nas primeiras horas, o sonho da montadora japonesa se transformou em pesadelo ao longo da tradicional corrida. O drama vivido foi tão grande que dois carros abandonaram antes da marca de metade de prova e outro ficou por duas horas no pit-lane. Para os pilotos, virou questão de honra voltar na próxima edição e trazer a vitória.
 
"Temos que continuar lutando e tentando vencer esta corrida. Assim que você para [de tentar], você perde o direito de brigar pela vitória. A gente deve seguir adiante, acontece o mesmo com todo mundo. Todos tiveram problemas. Para nós, [o problema] aconteceu muito cedo para ter chance de vitória, mas eu ainda esperava que os carros #7 e #9 tivessem uma boa corrida", comentou o japonês Kazuki Nakajima em entrevista à revista inglesa 'Autosport'
 
Um dos protótipos com mais chances de vitória foi o carro #7, que liderou que liderou com folga a primeira parte da prova, mas sofreu com problemas de embreagem e teve que abandonar ainda na 10ª hora. Não muito mais tarde, foi a vez do carro #7 apresentar problemas e também deixar o circuito. E para completar, o carro #8 perdeu 30 voltas por um problema no início da corrida.
Novo pesadelo: líder da prova, o Toyota TS050 #7 abandonou com Kobayashi ao volante (Foto: Reprodução)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Foi um azar, detritos causaram danos ao nosso carro. Perdemos em downforce e 35s quando trocamos o bico. No próximo stint, a porta estava abrindo. E no começo da noite tivemos problemas com o painel, mas estávamos apenas uma volta atrás [dos líderes]. Tudo foi azar. Não queremos acreditar em maldição, mas as estatísticas estão contra nós", lamentou Nicolas Lapierre.
 
Na análise de Kobayashi, seu carro poderia ter vencido a corrida se tivesse conseguido trazer o carro para os boxes, mesmo que houvesse a necessidade de fazer um longo e lento conserto para que o carro pudesse retornar à pista.
 
"Nós vimos o carro #2 da Porsche ficar na garagem por um bom tempo, então pensamos que dava para ficar na frente deles, mas não deu para voltar [aos boxes]. É um momento muito difícil porque nós tinhamos um ritmo surpreendente. Éramos tão competitivos… Se tivéssemos voltado, teríamos trocado a embreagem e venceríamos. Mas eu não consegui fazer nada, o carro não se movia mais", lamentou o piloto, que foi obrigado a abandonar a prova sem conseguir mover o carro até os boxes. 
 
Mesmo assim, a situação não desanima Kobayashi. Com o ânimo de ter, entre outras coisas, conseguido um novo recorde no tempo de volta dos treinos classificatórios para a corrida faturando a pole-position.
 
"Voltaremos no ano que vem e teremos essa oportunidade novamente. Para a Toyota é difícil, mas voltaremos muito fortes. Temos que ganhar essa corrida", decretou. 

Em 2017, a vitória ficou mesmo com o #2 da Porsche.
 

O CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE MÔNACO FOI PARA SENNA?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube