Agência Mundial Antidoping retira álcool da lista de substância proibidas para 2018. FIA segue FIM e mantém veto

A Agência Mundial Antidoping decidiu retirar o álcool da lista de substâncias proibidas para 2018. Assim como a FIM (Federação Internacional de Motociclismo), a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) mantém o consumo vetado por razões de segurança

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;


A Agência Mundial Antidoping retirou o álcool da lista de substâncias proibidas para 2018, mas, na prática, essa medida não terá maiores efeitos no esporte a motor. O veto ao consumo de etanol era válido para esportes aéreos, de tiro com arco, com automóveis e com barcos.
 
Em uma reunião realizada em Paris, na França, a WADA decidiu remover o álcool da lista de substâncias proibidas que é atualizada anualmente. Até então, a entidade vetava o consumo “só durante competições”. 
WADA retirou álcool da lista de substâncias proibidas para 2018 (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

“Depois de uma consideração minuciosa e uma consulta exaustiva, o álcool foi eliminado da lista de substâncias proibidas”, disse a WADA. “A intenção desta mudança não é comprometer a integridade ou a segurança de nenhum esporte onde o uso de álcool é uma preocupação, mas sim endossar uma maneira diferente de proibir o uso de álcool nesses esportes”, seguiu.
 
“Essas quatro federações internacionais afetadas por esta mudança foram alertadas previamente de forma suficiente para poder atualizar seus regulamentos e colocar em prática protocolos para testar o uso de álcool e sanções apropriadas a atletas que não seguem as regras de seu esporte”, completou.
 
O regulamento da FIA (Federação Internacional de Automobilismo), porém, segue vetando “o consumo de álcool e cannabis, já que ambos alteraram o comportamento dos pilotos e o último segue sendo detectável depois de várias semanas do consumo”. O artigo 4.2.1 do Apêndice A do Código Esportivo já apresenta o álcool como substância proibida em sua versão 2018.
 
 
Desde 2004, a entidade máxima do motociclismo seguia a orientação da WADA, tratando o etanol como um agente dopante. A partir de 2015, no entanto, a agência concordou que a FIM poderia tirar o álcool da lista de substâncias proibidas como agente dopante, mas a rotulando como uma substância proibida por razões de segurança. Assim, os códigos médico e antidoping da entidade foram atualizados com esta nova orientação.
 
HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube