Albon reclama de desgaste “incrível” após quatro paradas na Espanha: “Não foi normal”

Alexander Albon não conseguiu controlar o desgaste dos pneus durante o GP da Espanha e terminou em último entre todos os competidores que conseguiram completar a corrida

POR QUE A FÓRMULA 1 2022 COMEÇA AGORA PARA A MERCEDES?

Alexander Albon terminou uma corrida atrás de seu companheiro de equipe, Nicholas Latifi, pela primeira vez na temporada durante o último final de semana. Na disputa do GP da Espanha, o tailandês fez nada menos do que quatro paradas nos boxes, já que simplesmente não conseguia controlar o desgaste dos pneus — tanto macios quanto médios. Após a prova, o piloto da equipe britânica lamentou o alto nível de desgaste e não soube explicar o motivo de não conseguir contorná-lo.

“Muito estranho, para ser honesto”, disse Albon após a corrida. “Nas voltas para alinhar no grid, eu já estava tendo desgaste nos pneus. E aconteceu o mesmo na corrida. Fiz quatro paradas e poderia ter feito uma quinta ou uma sexta e possivelmente seria um pouco mais rápido”, lamentou.

“Era um desgaste incrível. Acho que eu estava uns 20 km/h mais lento do que todo mundo na curva três e na curva nove, sofrendo muito”, admitiu. “Normalmente, não somos tão ruins. Acho que existe algo que precisamos checar, isso não foi normal. Vamos ter muito [a fazer]”, prosseguiu.

▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Albon tentou pilotar devagar para evitar o desgaste, mas não foi suficiente (Foto: Williams)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

O ritmo de Albon até permaneceu o mesmo que o de Latifi durante o primeiro stint — com pneus macios —, mas após a primeira parada, a diferença entre os dois pilotos da Williams passou a aumentar gradativamente. Alex finalizou a corrida na 18ª posição, último entre os carros que completaram a prova e duas colocações atrás do canadense.

“Eu não conseguia pilotar devagar o suficiente”, salientou. “Estava tão lento quanto podia, e os pneus ainda estavam sofrendo. E não era pouco. Nas minhas primeiras três voltas, eu estava entre 2s5 e 3s mais lento do que estaria normalmente e ainda assim estava desgastando [o pneu] massivamente”, destacou.

“Eu estava perdendo 1s [por volta] logo depois da primeira volta”, reconheceu. “Então, foi um pouco estranho. Não é normal. O desgaste estava alto, esperávamos isso, mas o que aconteceu dessa vez foi esquisito”, repetiu.

A explicação veio por meio do chefe de desempenho da Williams, Dave Robson, que revelou um dano sofrido por Albon no assoalho do FW44 — o que comprometeu totalmente a corrida do tailandês a partir dali. Com a pressão aerodinâmica prejudicada, Alex precisava gastar consideravelmente mais borracha do pneu, daí o motivo de tanto desgaste para se manter na pista.

“Infelizmente, imediatamente após a primeira parada ele sofreu um dano significativo no assoalho, o que custou a ele muita carga aerodinâmica”, explicou Robson. “O efeito foi forte no ritmo e no desgaste dos pneus, e arruinou a corrida do Alex [Albon] antes mesmo de começar”, encerrou.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Escanteio SP.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar