Alonso revela que pensou em deixar F1 ao fim de 2017, mas mudou de ideia: “Passaria o resto da vida arrependido”

A péssima fase da McLaren-Honda, combinada com o desejo de buscar a Tríplice Coroa, fez Fernando Alonso pensar em uma mudança de rumos. O espanhol considerou sair da F1, mas voltou atrás temendo um arrependimento

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Em meio ao caos que foi a temporada 2017 da McLaren, Fernando Alonso quase tomou uma decisão drástica. Sofrendo com a falta de confiabilidade e de resultados, o espanhol revelou que chegou a pensar em abandonar a F1 em definitivo para buscar a Tríplice Coroa do automobilismo. Mas voltou atrás: Alonso não quis colocar um ponto final na jornada em uma fase tão negativa.
 
“Eu pensei na possibilidade de trocar de campeonato e deixar a F1”, confirmou Alonso, entrevistado pela revista ‘F1 Racing’. “Depois da Indy 500 do ano passado, quando corri na Áustria e em Silverstone, eu pensei ‘ano que vem talvez eu tente outro campeonato. Eu poderia me comprometer com a Tríplice Coroa e andar em Indy e Le Mans, talvez seja o melhor’. Mas não pareceu a hora certa para isso. Não agora, não com esses resultados, não com essa sensação. Eu sabia que passaria o resto da minha vida me arrependendo disso, ficaria com esse gosto ruim pelo resto da carreira”, explicou.
Fernando Alonso quis deixar a F1. Mas voltou atrás (Foto: McLaren)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A impressão de que a paciência de Alonso estava se esvaindo era percebida por quem via de fora. Mesmo assim, esta é a primeira vez que o espanhol confirma abertamente que a sequência na F1 esteve em risco.
 
Mas a história já é outra. Sem motor Honda em 2018, trocado pelo Renault, a McLaren vive um momento de otimismo. A pré-temporada, apesar de novos problemas de confiabilidade, indicou um carro mais competitivo do que nos últimos anos.
 
“Eu ainda quero sucesso, definitivamente. O trabalho ainda não terminou para mim e a McLaren. Acho que esse é o ano em que as coisas vão mudar, tenho bastante convicção disso”, avaliou Alonso.
 
“Estamos de volta à normalidade, de volta à sensação de passar por treinos e classificação sabendo que você deveria estar no top-5. E sabendo que, se você for bem, dá para ir ao pódio. Com algo muito especial, dá para vencer. Essa motivação e o preparo para isso são coisas que fizeram falta”, encerrou.
 
Alonso vive jejum marcante na F1. A última vitória veio no GP da Espanha de 2013, enquanto o último pódio foi no GP da Hungria de 2014.
 
A nova chance de superação para Alonso começa em 25 de março, dia do GP da Austrália de 2018.
 
ENQUANTO A MERCEDES RESPIRA CALMARIA

CONCORRÊNCIA MOSTRA ARES DE PREOCUPAÇÃO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube