Alonso vê McLaren atrás de rivais em ritmo de corrida e aponta chuva como “principal aliada” para pontuar na Malásia

Décimo colocado no grid de Sepang, Fernando Alonso avaliou que a chuva será a maior aliada da McLaren para se manter na zona de pontuação. Asturiano avaliou que está atrás de Renault, Williams e Haas em termos de ritmo de corrida

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Fernando Alonso conquistou o décimo posto no grid de largada para o GP da Malásia de F1. Neste sábado (30), o asturiano cravou 1min31s704 na melhor de suas 17 voltas e ficou a 1s628 de Lewis Hamilton, o dono da pole-position.
 
Depois de avançar até o Q3, Alonso reconheceu que chegou à última fase da classificação sempre por pouco e avaliou que vai ser difícil pontuar em Sepang, a menos que a chuva apareça para dar uma mãozinha.
Fernando Alonso avaliou que vai ser difícil pontuar na Malásia (Foto: McLaren)
“Entramos por pouco tanto no Q1 quanto no Q2, e, no Q3, fomos décimos. Vamos tentar recuperar amanhã se possível, nos defender de quem vem atrás”, falou Alonso. “Vai ser, seguramente, uma corrida complicada. A chuva será nossa maior aliada. Em uma corrida no seco, vai ser muito difícil nos manter na zona de pontuação”, previu.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Ciente das possibilidades, Alonso colocou a zona de pontuação como meta em Sepang, mas sublinhou que este é um objetivo difícil de ser alcançado.
 
“Vai ser difícil, porque, em ritmo de corrida, perdemos um pouco em relação aos nossos rivais diretos, como Renault, Williams e Haas. Sabemos que será complicado estar nos pontos, mas este tem de ser o objetivo”, ponderou.
 
Em um ano de muitas dificuldades na McLaren, Alonso afirmou que vai para a corrida sem grandes expectativas, assim como tem feito no resto da temporada.
 
“Vamos sem nenhuma clara aspiração para as corridas, tentando seguir melhorando, levando algumas peças novas para o carro a cada corrida, e vendo o que acontece”, disse. “Têm circuitos mais favoráveis, outros menos. Neste, não esperávamos ser tão rápidos e nos demos bem. A corrida é amanhã e, no seco, será muito difícil pontuar”, insistiu.
 
Por fim, o #14 contou que espera ver todos os pilotos na estratégia de apenas uma parada e lembrou que não usou o pneu macio ao longo do fim de semana.
 
"Não provei o macio. Trouxemos apenas dois macios, que íamos utilizar no TL1, mas começou a chover e não pudemos usar”, explicou. “Amanhã vai ser uma incógnita para todo mundo”, considerou. 
 
“É um pneu que conhecemos bastante de toda a temporada e esperamos que se comporte bem”, torceu. “Uma parada seguramente será a estratégia de todo mundo”, concluiu.

#GALERIA(7200)
 
TORO ROSSO DEMOROU DEMAIS

REBAIXAMENTO SEGUIDO DE AFASTAMENTO DE KVYAT É TUDO, MENOS INJUSTO  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube