Após testes no simulador, Button prevê dificuldade na pilotagem dos carros de 2014: “Não vai ser fácil”

Experiente piloto da McLaren destacou torque dos novos motores turbo V6 e comparou: "Será um pouco como a GP2, porque será muito mais fácil cometer um erro"

 
Os novos carros da F1 para 2014, já dentro das novas especificações aerodinâmicas e com o novo motor turbo V6 de 1,6 L, ainda não foram para a pista, mas já estão sendo testados nos simuladores de algumas equipes. É o caso da McLaren, que já encarregou Jenson Button de conhecer o funcionamento do novo modelo em desenvolvimento para o próximo campeonato.
 
Mesmo sendo um piloto experiente, com 14 temporadas completas e um título mundial em 2009, o britânico de 33 anos não escondeu sua surpresa com uma nova situação em sua carreira: o comportamento arredio dos novos propulsores previstos para o próximo ano.
 
"É uma questão de compreender o motor e como utilizar sua potência, porque não vai ser fácil", admitiu Button em entrevista ao site da ESPN, neste domingo (1º). "Teremos muito trabalho no simulador e correndo com outras coisas que vão nos ajudar a extrair a potência, porque acho que nenhum de nós está acostumado a este torque."
Jenson Button prevê dificuldade na pilotagem dos carros de 2014 (Foto: Getty Images)
O inglês prosseguiu: "Na realidade, acho que será mais fácil no simulador. A dificuldade na pilotagem é muito difícil de perceber no simulador. A primeira sensação será quando estivermos no carro. Acho que será mais fácil na prática, mas encontrar o ponto está difícil. Em curvas de alta velocidade, você perde muita potência. Não é como agora, com muito downforce e pouco torque", comparou. "Com o carro de 2014, em uma curva como a 3 de Barcelona, você não apenas sai da pista, você imediatamente perde a traseira, porque há muito torque. Não é uma questão de acerto: você tem torque, e nunca tivemos isso antes."
 
"Eu não acho que será mais emocionante de pilotar. Vamos lutar pela aderência o tempo todo, então não acho que vai se tornar mais emocionante", explicou.
 
Para o piloto da McLaren, no entanto, a F1 não perderá em emoção para o público, por conta do risco de erros dos pilotos. "Se você tiver um carro rápido, não será menos agradável, porque você ainda estará lutando na frente. Acho que ao longo de uma volta de classificação, você pode não ter o mesmo som, mas a corrida ainda vai ser emocionante." 
 
"Acho que os carros estarão mais próximos e não haverá mais disputa, mas com a forma como os carros serão, com menos pressão aerodinâmica, pneus mais duros e mais torque, você verá um fim de semana um pouco como o da GP2, porque será muito mais fácil cometer um erro", completou.
 
A McLaren viverá em 2014 o último ano de sua parceria com a Mercedes, apontada como a dona dos motores turbo mais potentes para o próximo campeonato.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube