Aston Martin negocia volta à F1 pela Red Bull em parceria que envolve motor Mercedes, diz revista

A Red Bull, longe dos bons resultados que marcaram a equipe ao longo das últimas temporadas, pode estar próxima de fazer uma importante troca. Incomodada com a falta de potência dos motores Renault, os austríacos estariam dispostos a concretizar uma parceria técnica com a Aston Martin – montadora inglesa com ações compradas pela Mercedes

A problemática relação da Red Bull com a Renault parece estar próxima de um fim. Mas a solução dos austríacos para suprir a ausência dos franceses pode ser bem inusitada: a Aston Martin, montadora inglesa de carros de luxo, estuda entrar na F1 como fornecedora de motores da companhia de energéticos.

Mas a participação da Aston Martin seria parte de algo muito maior. A Mercedes é dona de 5% das ações da companhia e, através dos ingleses, estaria disposta a fornecer seus superiores motores à Red Bull.

A Red Bull pode estar largando a Renault para se aproximar da Aston Martin (Foto: Beto Issa)
A informação, que é da revista inglesa Autocar, surge na mesma semana em que a Lotus, hoje com motores Mercedes, passou a ser alvo da Renault, que pretende voltar a ter uma construtora 100% francesa. Caso a compra se concretize, a companhia alemã teria condições de fornecer motores a mais um construtor – mesmo que através de um terceiro, a Aston Martin.

A Red Bull também tem uma parceria com a Infiniti, uma empresa da Nissan. Os japoneses, por sua vez, são uma das marcas do grupo Renault. Todavia, o acordo entre as partes não envolve uma parceria técnica.

A Aston Martin já estave na F1, mas fracassou (Foto: Autoviva.com)
A Red Bull tem um contrato com a Renault até 2016, mas é possível que este seja rompido ao final de 2015. A relação entre os parceiros se deteriorou profundamente ao longo da atual temporada da F1, com os austríacos culpando as unidades de potência pelos fracos resultados conquistados neste ano.
 
Esta não seria a primeira participação da Aston Martin na F1. A companhia participou de cinco GPs, entre 1959 e 1960. Todavia, a marca não somou nenhum ponto na oportunidade.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube