Banco BayernLB rejeita acordo de R$ 75 milhões proposto por Ecclestone para deixar para trás caso de suborno

Além de ter pago mais de R$ 200 milhões à justiça alemã para encerrar o caso de suborno pelo qual estava sendo julgado, Bernie Ecclestone também fez uma proposta ao Banco BayernLB, mas viu o acordo ser negado

O banco BayernLB revelou ter negado um acordo proposto por Bernie Ecclestone para encerrar de vez o escândalo de suborno no qual está envolvido o chefão da F1. Além do valor de cerca de R$ 225 milhões pago à justiça alemã há poucos dias, o inglês também ofereceu € 25 milhões (mais de R$ 75 milhões) para o BayernLB deixar a história para trás, mas a oferta expirou nesta sexta-feira (8) sem uma resposta positiva por parte da instituição germânica.

No processo da venda das ações da F1 para o CVC em 2005, o BayernLB, dono de uma parcela dos títulos da categoria, foi representado por Gerhard Gribkowsky, o banqueiro que mais tarde foi preso por corrupção no negócio.

Gribkowsky recebeu de Ecclestone mais de R$ 100 milhões, e alegou ter sido subornado pelo britânico para avaliar as ações em um preço abaixo do valor de mercado. Por sua vez, o idoso de 83 anos afirmou que foi chantageado pelo alemão.

Os problemas de Ecclestone ainda não acabaram (Foto: Getty Images)

No fim de 2013, o BayernLB manifestou a intenção de processar Ecclestone por essa razão. O banco não apresentou motivos para ter rejeitado o acordo oferecido pelo todo-poderoso da F1, tampouco indicou se pretende negociar um novo acordo ou realmente acionar a justiça para pleitear uma indenização.

O pagamento de R$ 225 milhões que Ecclestone fez à justiça no início da semana encerrou prematuramente seu julgamento na Corte de Munique e significou que o dirigente não foi considerado nem inocente, nem culpado no caso.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube