Bottas alega “melhor ritmo” e revela decepção por ter sido impedido de ultrapassar Massa em Silverstone

Na primeira parte da corrida, Valtteri Bottas disse que estava mais rápido que Felipe Massa, que liderava, mas não foi autorizado pela Williams a tentar a ultrapassagem em cima do brasileiro. O finlandês não escondeu a frustração: “Precisamos analisar”

Valtteri Bottas defendeu que a Williams deveria tê-lo autorizado a fazer a ultrapassagem sobre seu companheiro de equipe, Felipe Massa, quando aparentava ter mais ritmo na primeira parte do GP da Inglaterra, deste domingo (5). O brasileiro fez uma grande largada e pulou de terceiro para primeiro. Depois da saída do safety-car, na volta 4, Lewis Hamilton tentou uma manobra de ultrapassagem sobre o brasileiro, perdeu ritmo e acabou sendo superado por Bottas, que subiu para segundo.

Daí em diante, Felipe e Bottas andaram perto, sempre com o brasileiro na frente. Mas Valtteri, em determinados momentos, se aproximou mais, indicando que teria condições de passar, mas o piloto disse que não foi liberado pela Williams para ganhar a liderança de Massa. No fim das contas, em uma corrida com enorme variação de estratégias devido à chuva e muita emoção, Bottas terminou em quinto lugar. Resultado que lhe colocou em quarto no Mundial e Pilotos, com 77 pontos, um a mais em relação ao compatriota Kimi Räikkönen.

O jovem finlandês alega que tinha melhor performance em relação ao experiente piloto brasileiro e não escondeu a frustração. “É difícil dizer agora. Eu tinha mais ritmo e uma ou duas boas oportunidades em que não tive permissão para passar, então é decepcionante. Mas é colocar isso para trás e analisar o que poderia ter sido”, declarou o piloto em entrevista coletiva concedida logo após a corrida.

Valtteri Bottas questionou a estratégia da Williams na corrida deste domingo em Silverstone (Foto: AP)

“Quando você não pode passar tendo mais ritmo é difícil, então precisamos analisar”, complementou o nórdico, que negocia com a Ferrari para uma eventual transferência para Maranello em 2016.

Massa, contudo, entende que tinha mais ritmo que Bottas. “Com os pneus duros, eu era mais rápido, então não era a coisa certa a se fazer. Fora isso, ele tinha o DRS, então era mais fácil me seguir. Mas com os pneus duros, eu era mais rápido”, defendeu Felipe, que foi endossado por Rob Smedley. O engenheiro britânico disse que Valtteri poderia ter ultrapassado Massa, desde que fosse uma manobra feita de forma limpa.

Siga o GRANDE PRÊMIO no INSTAGRAM
e fique ligado para concorrer a PRÊMIOS
 

 Bottas seguiu entre os primeiros colocados mesmo depois da primeira janela de pit-stops. Aí, com a pista ainda seca, perdeu posição para Rosberg, caindo para quarto. Aí, quando a chuva deu as caras em Silverstone, a Williams se perdeu na estratégia e chamou não só Valtteri, mas também Felipe, quando a chuva já tinha apertado. “O problema foi parar uma volta tarde demais para colocar os intermediários”, disse.

Aí Rosberg e Hamilton, principalmente, levaram vantagem, assim como Vettel, que garantiu um pódio improvável para a Ferrari. Bottas, que ficou bem perto do pódio, teve de se contentar com o quinto lugar, que foi considerado frustrante pelo piloto. “Definitivamente eu teria preferido que ficasse seco. Vimos de novo que sofremos com a chuva, e precisamos resolver, porque em algum momento vai chover”, explicou.

Ao menos, fica o contentamento de ter feito uma boa largada. “Foi uma largada muito boa, talvez a minha melhor. E neste fim de semana, com meus engenheiros, trabalhamos mais do que o normal com a embreagem, pois eu não estava tão feliz. Fiquei mais confiante no pedal”, concluiu.

A próxima etapa do Mundial de F1 acontece no fim do mês, na Hungria, no dia 26 de julho. Em 2014, a vitória foi de Daniel Ricciardo com a Red Bull.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube