Brawn diz que McLaren precisava romper com Honda para ver “problemas maiores”

A Honda não era o único problema da McLaren. Só que não seria possível perceber isso sem um divórcio entre as duas partes, avalia Ross Brawn. O diretor esportivo da F1 sente que esse foi o ponto de partida da reação dos alaranjados

A Red Bull venceu corridas em 2019 com a Honda, fornecedora de motor expulsa quase aos chutes da McLaren ao fim de 2017. A unidade de potência foi apontada como grande culpada da fase ruim da equipe britânica, mas encontrou o caminho do sucesso com uma nova parceira. Só que, por mais doloroso que seja para a equipe de Zak Brown ver o equipamento nipônico triunfando, a decisão de romper talvez tenha sido correta: aos olhos de Ross Brawn, diretor esportivo da Fórmula 1, só assim a equipe alaranjada seria capaz de perceber seus próprios erros.
 
“As pessoas dizem que eles [McLaren] cometeram um grande erro ao se livrar da Honda”, disse Brawn. “Só que, curiosamente, eu acho que eles praticamente precisavam disso para reconhecer o que precisavam mudar enquanto equipe. Eles ficaram culpando a Honda o tempo todo e agora acho que eles percebem que isso não era verdade. Aquilo não era tudo e, ao se livrar da Honda e conseguir uma comparação [motor Renault], eles perceberam que tinha algo a ver com a equipe”, destacou.
Sem a Honda, a McLaren começou a reagir na F1 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Em 2018, já com motor Renault substituindo o Honda, a McLaren subiu de nono para sexto no Mundial de Construtores. Os pontos vieram quase todos no começo do ano, com o resto apresentando uma equipe ainda atrasada na comparação com as rivais. Foi a deixa para o chefe Brown iniciar uma reformulação interna, representada principalmente pela chegada do experiente Andreas Seidl para chefiar a equipe técnica. Foi assim que a equipe começou a melhorar para valer, chegando ao quarto lugar em 2019.

 
“Não sei como eles chegariam a essa conclusão sem usar um motor que outra equipe estivesse usando, com o qual outra equipe [Red Bull] estivesse andando bem”, seguiu Brawn. “Ao fazer isso, eles perceberam problemas maiores que os do motor e fizeram outras mudanças. E acho que eles fizeram algumas mudanças muito prudentes”, encerrou.
 
A McLaren abre 2020 ainda tentando se manter como a melhor das equipes medianas na F1. A dupla de pilotos segue sendo Carlos Sainz Jr. e Lando Norris.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube