Brawn reage à ameaça da Ferrari, fala em “respeitar e ouvir” times icônicos, mas avisa: “Toda parceria tem limites”

Diretor-esportivo da F1, Ross Brawn se disse surpreso com a reação negativa de alguns à proposta de regulamento de motores para 2021. Dirigente respondeu ameaça da Ferrari e ressaltou que toda parceria tem seus limites

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Diretor-esportivo da F1, Ross Brawn foi pego de surpresa pela reação negativa de algumas equipes ao regulamento de motores proposto para 2021. A Ferrari, por exemplo, chegou a ameaçar abandonar o esporte.
 
Com o objetivo de tornar as unidades motrizes mais baratas e acessíveis, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) apresentou no fim de outubro a nova era de motores da F1. Depois de muito debate, a opção foi seguir com o V6 turbo, com a remoção do MGU-H e o aumento de rotações em 3000 mil rpm ― saltando dos cerca de 15000 atuais para 18000 rpm.
 
Além da Ferrari, Mercedes e Renault também se mostraram descontentes com a proposta, o que pegou Brawn de surpresa.
Ross Brawn ficou surpreso com a reação negativa ao regulamento de motores proposto (Foto: FIA)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

“Eu fiquei bem surpreso com essas reações”, disse Brawn em entrevista à publicação alemã ‘Auto Bild’. “Eu estive em algumas reuniões e pensei que a direção estava clara. Todos concordaram de forma unanime com as novas metas que os motores deveriam atingir. E nós baseamos as novas regras nisso”, seguiu.
 
Ainda assim, Brawn acredita que a divergência é normal, mas algo que pode ser contornado sem maiores problemas.
 
“É como em um restaurante, onde alguns gostam do aperitivo, mas não do cardápio principal e vice-versa”, comparou. “É por isso que agora estão acontecendo novos debates. Se as fábricas oferecerem soluções melhores, nós estamos abertos, mas ficar com a nova unidade de potência não é uma opção”, frisou.
 
O dirigente explicou que o Liberty Media tem como prioridade oferecer o esporte que os fãs querem ver e ouvir e considerou que “de 60 a 70%” de todos os fãs da F1 querem motores mais barulhentos.
 
Questionado sobre a ameaça da Ferrari de deixar a F1, Brawn respondeu: “Esta é uma pergunta retórica”.
 
“Claro, não queremos perder a Ferrari. A Ferrari se beneficia da F1 e a F1 se beneficia da Ferrari. Mas toda parceria tem limites”, considerou. “Então é uma questão do que a Ferrari pode aceitar e do que nós podemos. Nós queremos encontrar soluções que mantenham todos na F1, e, acima de tudo, não queremos perder nenhum time icônico”, continuou.
 
“Eles são uma parte importante da F1 e nós temos de respeitá-los e ouvi-los”, concluiu.
FALTA DE HONESTIDADE

PERDA DE ETAPA DA FÓRMULA E É DESASTROSA PARA SÃO PAULO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube