Cansado de ‘novela interminável’, Lauda sugere que Red Bull “dê um jeito” e faça pazes com Renault

Niki Lauda afirmou que sabe o que faria se fosse a Red Bull: correria atrás da Renault para tentar uma reaproximação. Com as negativas de Ferrari, Mercedes e Honda, e a impossibilidade de tempo para encontrar uma via inesperada, a Renault é a esperança

A Red Bull está numa sinuca de bico. A Ferrari disse não, a Mercedes disse não e a McLaren obrigou a Honda a dizer não. Qual seria, então, a solução para a equipe dos energéticos? Para o tricampeão mundial de F1 e presidente não-executivo da Mercedes, Niki Lauda, fazer as pazes com a Renault.
 
Apesar de a FIA estar atrás de uma montadora comum que possa atender as equipes que quiserem ou precisarem sair do eixo das montadoras poderosas que têm interesse em equipes próprias, como Lauda apontou, ainda não será uma solução para 2016. O que deixa a marca francesa como a nova velha saída.
"Ei, vamos voltar a ser amigos?" (Foto: Getty Images)
"Ano que vem, não importa o que a FIA faça com os motores para o futuro, não vai estar disponível. Então, e se eu fosse da Red Bull? Posso te dizer. A Ferrari disse não para o motor. A Mercedes não pode porque nós já trabalhamos com quatro times, então sobra apenas a Renault", disse Lauda.
 
"Se você perguntar a Marko honestamente se eles falaram coisas negativas demais no relacionamento com a Renault, ele sempre vai dizer que sim. Se a Red Bull quer continuar – e acho que eles querem -, então deem um jeito com a Renault. Se eles não continuarem, temos um grande problema não apenas para a Red Bull", encerrou.
 
A equipe chefiada por Christian Horner esperava que tudo estivesse resolvido até o GP dos Estados Unidos, o que não aconteceu. Qualquer que seja a saída para a Red Bull, melhor que seja tomada logo. O tempo está acabando.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube