Chefe da F1 vê “decisão correta” ao cancelar GP da Austrália em “situação incerta”

Pouco depois da oficialização do cancelamento do GP da Austrália, Chase Carey defendeu a decisão e citou os “tempos difíceis” em razão da pandemia do coronavírus. “Estamos todos decepcionados”, declarou o dirigente

A F1 foi atingida em cheio pelo coronavírus neste fim de semana que marcaria a abertura da temporada 2020 do Mundial. Ainda na quinta-feira (12), depois de ser criticada por ninguém menos que Lewis Hamilton, a categoria tomou conhecimento de um funcionário da McLaren receber o diagnóstico positivo para Covid-19, situação que fez a equipe britânica abrir mão de disputar a corrida. Mas, depois de quase um dia inteiro de rumores sobre o futuro da prova, a F1, FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e a organização da prova decidiram pelo cancelamento do GP da Austrália, na manhã desta sexta-feira, horário de Melbourne.

 
A decisão foi tomada depois de muita indefinição no paddock, sobretudo depois que a McLaren, ainda na quinta-feira, e a Mercedes, nesta sexta-feira, optarem pela ausência na corrida. Neste meio tempo, a emissora britânica BBC noticiou que Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen deixaram Melbourne rumo a Dubai.
 
Pouco depois, a F1 comunicou de forma oficial o cancelamento do GP da Austrália. A maioria das equipes e pilotos se mostrou favorável à decisão, embora não haja unanimidade: Red Bull, AlphaTauri e Racing Point evidenciaram a vontade de correr mesmo em meio ao cenário de caos.
Chase Carey esteve presente à coletiva de imprensa após cancelamento do GP da Austrália (Foto: AFP)
Minutos depois do cancelamento da prova, a organização do GP da Austrália promoveu uma entrevista coletiva que contou com a participação de Chase Carey, chefão da F1.
 
“Quero acrescentar que nossos pensamentos estão com as pessoas que foram afetadas por isso. Também quero expressar nossa decepção em nome dos fãs. Esta é a corrida pela qual sempre esperamos, com grandes fãs aqui. Lamentamos por não tê-la, mas foi uma situação muito incerta”, defendeu o dirigente.
 
Ao ser questionado sobre a demora para que a decisão sobre o futuro da prova fosse tomada, Carey justificou. “Acho que tomamos as decisões corretas”.
 
“Trabalhamos bem com nossos parceiros. Acho que estamos todos decepcionados. Mas esses são tempos difíceis e acho que tomamos as decisões que tivemos de tomar”, salientou o norte-americano.
A maior das categorias do esporte a motor já vinha sofrendo críticas pela opção de disputar a prova, mesmo diante do aumento exponencial do número de casos pelo mundo, especialmente na Europa, onde diversos países impuseram restrições severas de viagem. A Itália, por exemplo, país com maior número de caso do continente europeu, fechou as fronteiras. Durante a quinta-feira de entrevistas em Melbourne, nomes como Lewis Hamilton, Sebastian Vettel e Kimi Räikkönen também levantaram questões sobre a decisão da F1 em correr na Austrália.
 
“Depois da confirmação de que um membro da McLaren testou positivo para Covid-19 e da decisão da equipe de se retirar do GP da Austrália, a FIA e a Fórmula 1 convocaram uma reunião com os outros nove chefes de equipe na noite de quinta-feira. Essa discussão foi concluída com a opinião da maioria das equipes de que a corrida não deveria seguir adiante. A FIA e a Fórmula 1, com total apoio da Australian Grand Prix Corporation (AGPC) decidiu, portanto, tomar a decisão de cancelar toda a atividade da Fórmula 1 no GP da Austrália”, disse a entidade em nota. 
 
“Nós entendemos que essa é uma notícia desapontadora para os milhares de fãs que compareceriam à corrida e todos com ingresso vão receber reembolso total. Um novo anúncio será feito no momento oportuno”, seguiu. 
 
“Todas as partes levaram em conta o empenho enorme da AGPC, da Motorsport Australia, da equipe e dos voluntários para realizar essa etapa de abertura do Mundial de Fórmula 1 em Melbourne, no entanto, concluímos que a segurança de todos os membros da família da Fórmula 1 e da comunidade, assim como a imparcialidade da competição, são prioridade”, completou.

 
Paddockast #51
QUEM VENCEU DRIVE TO SURVIVE 2

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube