Chefe da McLaren fala em desilusão com má fase na F1, mas reforça fé na Honda e garante: “Vamos chegar lá”

Ron Dennis chegou a dizer que “todos estão desmotivados” na McLaren. O chefão da equipe britânica procurou minimizar as duras críticas de Alonso durante o GP do Japão e buscou entender o lado do seu piloto. Sobre a Honda, o dirigente disse que se trata de um doloroso rito de passagem até que a fábrica consiga desenvolver um motor competitivo e voltar a triunfar na F1

Seguramente, uma das grandes decepções da temporada 2015 da F1 é a retomada da parceria entre McLaren e Honda. Anunciada com pompa, circunstância e muita expectativa, sobretudo por remeter à época vitoriosa do fim dos anos 80 e começo da década de 1990, a velha-nova união ainda não deu frutos. Depois de 14 corridas, o melhor resultado foi um quinto lugar obtido por Fernando Alonso num tumultuado GP da Hungria. No GP do Japão, sobraram criticas do espanhol à McLaren pelo desempenho “vergonhoso” e à Honda, pelo “motor de GP2”.

Mas Ron Dennis procurou minimizar o tom ácido das declarações de Alonso via rádio em Suzuka, casa da Honda. O chefão da McLaren disse que entende a frustração do bicampeão do mundo e surpreendeu ao declarar que “todos estão desmotivados”. Mas por outro lado, o dirigente britânico disse que tudo é parte de uma dolorosa fase que vai culminar com o retorno triunfal da McLaren Honda ao topo da F1.

Dennis minimizou as críticas de Alonso e disse que "todos estão desmotivados" na McLaren. Mas confia em reação (Foto: AP)

“Isso é só frustração”, declarou Dennis em entrevista coletiva ao comentar as críticas de Alonso no último domingo. “Qualquer coisa que está saindo dos nossos planos no momento tem suas origens na frustração, desilusão e desmotivação. Estamos todos desmotivados”, disse, resignado.

Por outro lado, o chefão da McLaren voltou a bater na tecla de que é fundamental ter uma parceria forte com uma fornecedora de motor para triunfar na F1. Por isso, reforçou sua fé no trabalho da Honda como única saída para colocar o time de Woking rumo às vitórias e aos títulos.

“Ainda não consigo entender por que ninguém aprecia o simples fato de que você não vai ser campeão do mundo se contar com um motor de segunda mão. E isso não vai acontecer. Portanto, temos de passar pela dor, passar por essa curva de aprendizagem e ter um motor competitivo”, falou Dennis.

“Isso não é um comentário depreciativo contra a Honda. A Honda tem toda sua cúpula totalmente comprometida. Eles entendem o que tem de ser feito e está claro que eles estão pesquisando e colocando mais dinheiro e esforço nisso, e vamos chegar lá. É só um pouco doloroso no momento. Mas nós vamos chegar lá”, finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube