Chefe da Mercedes admite que liberdade dada a Hamilton e Rosberg traz “tempos difíceis e tensão, mas vale a pena”

Chefe da Mercedes, Toto Wolff não ilude quanto à intensa disputa entre seus pilotos e admite que toda a liberdade e igualdade proporcionada pela equipe prateada também pode trazer tempos difíceis e causar tensão. O austríaco fez uma análise da decisão do título entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton em Abu Dhabi

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Após alguns dias da decisão do título da F1 em Abu Dhabi, o chefão da Mercedes, Toto Wolff, ainda não decidiu se vai mesmo punir ou não Lewis Hamilton pelo comportamento do inglês durante a corrida em Yas Marina, no último domingo. Atrás no campeonato, tendo de vencer e torcendo para que o rival Nico Rosberg ficasse fora do pódio, o tricampeão decidiu segurar o ritmo da prova, especialmente na fase final, forçando uma perigosa aproximação dos rivais. Hamilton liderava, enquanto Rosberg vinha em segundo, tentando neutralizar a chegada de Sebastian Vettel, que se colocou quase 2s mais veloz devido à perda proposital de desempenho do britânico na ponta.

 
Lewis almejava uma briga maior entre o adversário, a Ferrari e até a Red Bull. Era a única chance de tentar ficar com o título. Só que a performance mais lenta provocou preocupação nos boxes da Mercedes, pelo temor da perda da vitória. Foi, então, que a equipe insistiu para que Hamilton melhorasse seus tempos de volta, mas o #44 ignorou todas as chamadas e seguiu com seus planos. Nico, no entanto, não sucumbiu à pressão e ficou mesmo com a taça.
 
Ao falar do episódio, o dirigente austríaco admitiu que, devido à política de igualdade de condições e liberdade dentro da Mercedes, momentos de tensão são inevitáveis. "Quando assinamos com Lewis para formar dupla com Nico em 2013, deixamos claro que não haveria um piloto número 1 e nem eles queriam isso", disse Wolff.
Os dois protagonistas do Mundial, Nico Rosberg e Lewis Hamilton, em 2016 (Foto: Getty Images)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Temos dois campeões do mundo em nossas mãos e sabemos que entregar a eles as mesmas armas tira o melhor deles. Ao mesmo tempo, sabemos que essa forma de trabalhar também pode nos trazer tempos difíceis. Essas tensões são coisas que temos em mente. Uma vez que aceitamos isso, também tenho de dizer que vale a pena", completou.

 
"Quando você vê os resultados alcançados, fica claro que estamos no caminho certo. Uma das chaves do nosso sucesso é que eles também estão sempre testando seus limites, e isso elevou o nível. São lutadores natos e essa luta tão intensa também tem sido boa para eles, para a equipe e para o esporte", encerrou o austríaco.
 
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube