Chefe da Mercedes classifica discussão sobre mudanças no regulamento 2014 da F1 como “absurda”

A Mercedes acha que é um absurdo as equipes rivais já pedirem por mudanças ainda no início da temporada 2014. O presidente da Ferrari pretende se reunir com a FIA e com Bernie Ecclestone para discutir potenciais mudanças

A Mercedes chamou de "absurda" a proposta de algumas equipes rivais em promover mudanças no novo regulamento com apenas duas provas realizadas até o momento em 2014 na F1. O comandante da Ferrari, Luca di Montezemolo, já havia reclamado durante a semana e deve se reunir neste domingo (5) com Jean Todt, presidente da FIA, e com Bernie Ecclestone no Bahrein para discutir potenciais ajustes nas regras.

O encontro ocorre depois que o homem forte da equipe italiana ter expressado preocupações quanto às restrições de economia de combustível, comparando os carros de F1 a táxis. Entende-se também que uma das propostas é tornar as corridas mais curtas, além de revisar a taxa de fluxo de combustível.

Wolff acha absurda discussão sobre mudanças no regulamento (Foto: Getty Images)

A Mercedes, entretanto, sente que as críticas escondem, na verdade, um movimento para alterar a divisão de forças na F1. A equipe alemã venceu as duas primeiras corridas do ano de forma dominante, na Austrália e na Malásia, e lidera tanto o Mundial de Pilotos quanto o de Construtores.

"A parte interessante é que algumas fabricantes de motores ou equipes estão dizendo que não conseguem tornar seus carros competitivos e eficientes com 100 kg de combustível, então vamos adicionar 10 kg", disse Toto Wolff, chefe da esquadra prateada, em Sakhir, onde a F1 disputa a terceira etapa de 2014.

"Na verdade, eu sinto muito, mas eles não fizeram o trabalho da mesma foram que nós. Acho que toda essa discussão é absurda", completou.

Wolff disse ainda que entende que há razões ligadas à competitividade por trás das intenções de algumas equipes, mas não concorda com o comportamento das que criticam o esporte como um todo para pressionar por alterações no regulamento. "Se este é o protocolo, então não deveríamos criticar o esporte como um todo. Deveríamos dizer, espere um pouco. A Mercedes fez um trabalho melhor", disse.

O dirigente, por fim, chamou a atenção para o público. Wolff acha que é mais importante ouvir os torcedores. "Nós apenas temos de entender o que os fãs não querem. Se é o barulho, então devemos conversar sobre isso. As corridas estão se tornam chatas com uma equipe ou um carro dominante? Talvez, mas nós estamos lidando com esse fenômeno nos últimos 20 anos. Foi irritante ver Sebastian Vettel vencer as últimas nove corridas no ano passado? Com certeza, mas é mais chato ver apenas um cara dominando e vejo isso como um fãs também", finalizando.

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube