Chefe da Sauber avalia mudanças dentro das rivais mais próximas e conclui que “vai ser muito difícil marcar um ponto” em 2016

A chefe da Sauber, Monisha Kaltenborn, fez uma leitura das situações das rivais próximas - e da novata Haas - para 2016 e avaliou o quão complicado vai ser ir aos pontos no ano que vem. Foram 36 tentos da Sauber no Mundial em 2016

A Sauber recuperou um pouco de seu campo em relação aos pontos marcados em 2015 – especialmente nas primeiras provas do campeonato. Após não conseguir sequer um tento em 2014, a equipe de Peter Sauber marcou 36 em 2015 e ficou com o oitavo lugar do Mundial de Construtores. Mas a chefe da equipe, Monisha Kaltenborn, avalia que em 2016 vai ser bem complicado chegar na zona de pontuação com frequência.
 
A leitura de Monisha leva em conta as mudanças nos arredores da Sauber. A Manor passa a utilizar as unidades de potência da Mercedes, por exemplo. Sim, as de 2015, mas ainda são da Mercedes. Por outro lado, a Haas estreia no grid com tradição automobilística e motores novos da Ferrari – além de ostensiva parceria tecnológica. Por fim, apesar de não ter sido citado pela austro-indiana, a McLaren dificilmente terá outro ano como 2015. 
 
Então, para pontuar, vai ter de ser por meio de um bom trabalho desenvolvido. Se contar apenas com o caos das rivais, muita coisa errada precisa acontecer.
 
"Você nunca deve subestimar ninguém – vimos ano passado que uma corrida onde tudo dá errado, olha onde você pode terminar [se referindo aos pontos da Marussia em Mônaco]. Temos a Manor chegando com novo motor, uma equipe nova que tem parceria grande com a Ferrari. Vai ser muito difícil marcar um ponto. Creio que você vai precisar fazer por você mesmo, porque muita coisa vai precisar dar errado para você conseguir um ponto", disse em entrevista ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Monisha Kaltenborn (Foto: Sauber)
A Sauber, no entanto, tem algumas armas para brigar com as rivais. O dinheiro das cotas da classificação final da F1 já chegaram e Monisha foi atrás de Mark Smith, ex-diretor técnico de Force India e Caterham, para exercer a mesma função na esquadra suíça.
 
"Mark tem muita experiência, especialmente se você está numa situação onde há uma limitação, então ele é muito calmo, bem tranquilo. Tem uma visão clara, a qual está trazendo passo a passo. Se você tem a experiência de como lidar e liderar o time na parte técnica com essas limitações, vai tomar o caminho certo aqui", avaliou.
 
"Ele tem todo o suporte do time, e estamos certos de que haverão várias de suas marcas no lado técnico para simplificar as coisas e torná-las mais e mais eficientes. Estamos indo na direção certa passo a passo, o que eu acredito que mostramos neste ano", encerrou.
 
A temporada 2016 da F1 começa em 20 de março com o GP da Austrália.

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

PADDOCK GP EDIÇÃO #11: ASSISTA JÁ

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube