Chefe da Sauber descarta mudança e diz que dimensões do C36 não comportam motor de 2017 da Ferrari

Monisha Kaltenborn afirmou que não há possibilidade de a Sauber usar o motor atualizado da Ferrari nesta temporada. A escuderia suíça tomou a decisão de priorizar o desenvolvimento do chassi e, por isso, optou por usar uma especificação já conhecida da unidade de potência italiana. Em Melbourne, a diferença em termos de potência para as oponentes foi grande

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A tabela das maiores velocidades finais de cada piloto no último GP da Austrália mostra o quão grande é o déficit do motor Ferrari 2016 que empurra os carros da Sauber no comparativo com as outras equipes do grid. Em Melbourne, tanto Marcus Ericsson como Antonio Giovinazzi sequer passaram dos 300 km/h no trecho de medição de velocidade, ficando nas últimas posições da tabela. Mas Monisha Kaltenborn descartou uma possível troca para o motor Ferrari de 2017 por uma razão muito simples: a unidade de potência construída em Maranello simplesmente não cabe no C36.

 
Uma das medidas adotadas pela Sauber para ter um 2017 um pouco menos difícil foi optar por continuar usando a especificação do motor Ferrari do ano passado. Assim, por já conhecer as dimensões do propulsor, o departamento técnico da Sauber pode focar melhor no desenvolvimento do chassi do C36.
 
Durante entrevista coletiva nesta sexta-feira (7) em Xangai, Monisha, quando questionada sobre uma eventual mudança para a versão que equipe a própria Ferrari e também a Haas — que foi bem na Austrália —, descartou. “Não. Isso nós sabíamos”, ressaltando as dimensões do C36 como fator que impede uma troca de motor.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Novo motor da Ferrari não cabe no carro da Sauber (Foto: Sauber F1 Team)
A dirigente indo-austríaca, contudo, quer esperar mais algum tempo antes de entender de fato qual é a diferença de performance entre o motor Ferrari deste ano e o que a Sauber utilizará ao longo da temporada.
 
“É muito cedo para falar porque a Austrália definitivamente não é uma pista representativa. Precisamos esperar por mais umas duas corridas, e então vamos ver o quão grande é de fato essa diferença”, explicou.
 
Candidata ao posto de lanterna da F1 em 2017, a Sauber vem trabalhando em atualizações para se manter mais competitiva depois de um ano que começou bem complicado. “Esperávamos que estivéssemos um pouco melhor porque seguimos alguns conceitos novos. Claro que os outros começaram [no trabalho com o novo regulamento técnico] mais cedo, então eles entenderam após os testes onde era preciso fazer algumas mudanças.”
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Precisamos desenvolver isso agora, e temos um plano de desenvolvimento. Temos algumas peças vindo para o GP da China e depois teremos um programa intenso de testes no Bahrein. Estamos planejando um pacote maior para Barcelona e, depois, vamos seguir a partir de lá”, concluiu a chefe da Sauber na F1.

 
O GP da China, o segundo do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Xangai AO VIVO e em TEMPO REAL.
 

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube