Chefe põe ex-FIA para organizar Renault e garante: “Não estamos interessados nos segredos dos outros”

Chefe da Renault, Cyril Abiteboul afirmou que a função de Marcin Budkowski será desenvolver a organização do time de Enstone focado na missão de brigar pelo título da F1. Dirigente frisou que a contratação do ex-engenheiro da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) não tem como objetivo roubar os segredos dos outros carros

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Chefe da Renault, Cyril Abiteboul detalhou qual será a função de Marcin Budkowski no time. A contratação do ex-engenheiro da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) causou polêmica entre os times.
 
Por ser o "dono dos segredos" da F1, as outras equipes do grid começaram a se mexer para evitar o acerto entre o polonês e a Renault, mas não conseguiram. A escuderia, então, adiou o início dos trabalhos de Budkowski para 1º de abril.
Dono dos segredos da F1 em 2018, Marcin Budkowski deixou a FIA. E colocou as equipes em alerta (Foto: Divulgação)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

De acordo com Abiteboul, Budkowski não estará envolvido no desenvolvimento do chassi de 2018 e terá como função principal aprimorar a organização do time.
 
“Posso entender o ceticismo dos times, mas não estamos recrutando alguém do calibre de Marcin para a posição de diretor-executivo só pelo que ele sabe dos outros times”, disse Abiteboul à publicação britânica ‘Autosport’. “Nós o estamos recrutando por suas capacidades, sua experiência, sua habilidade”, seguiu.
 
“Ele é alguém que chega com um currículo fantástico, fora da F1 também, e é perfeitamente adequado para construir o próximo estágio da Renault na F1”, ponderou. “Não estamos interessados nos segredos dos outros carros, e acho que uma boa demonstração é o fato de basicamente termos aceitado mantê-lo isolado de qualquer desenvolvimento do chassi até abril”, justificou.
 
“A situação é que ele estará, de fato, dentro da nossa folha de pagamento a partir de janeiro, mas não envolvido em nenhum desenvolvimento de chassi na F1”, frisou. “Ele estará envolvido no trabalho não-F1, focando em inúmeras outras atividades esportivas que estamos fazendo. Também preciso que ele entenda a ampla organização da Renault. Tem um processo de aclimatação antes que ele possa focar no desenvolvimento do chassi e na atividade operacional que ele fará em Enstone a partir de abril”, seguiu.
 
De acordo com Abiteboul, a missão de Budkowski será complementar a estrutura técnica existente, já que a Renault quer focar na organização do time para poder brigar pelo time, deixando aos atuais chefes técnicos ― Nick Chester, Bob Bell e Remi Taffin ― a responsabilidade pela performance do carro atual.
 
“Estou interessado em que Marcin nos leve ao próximo nível”, declarou. “O trabalho de Marcin é basicamente levar Enstone de ser um competidor muito forte do pelotão intermediário a se tornar uma equipe top”, continuou.
 
“Marcin estará realmente focado em construir a organização e a operação para garantir que estamos alinhados com nossa ambição para 2020-2021, quando queremos começar a lutar pelo campeonato”, anunciou. “Quero que Marcin construa o time de F1 perfeito para o século 21”, concluiu.
 
EM BUSCA DO SONHO DA F1

PIETRO FITTIPALDI REVELA QUE NEGOCIOU COM A SAUBER PARA 2018

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube