Chefe revela que ‘papo na cozinha’ ajudou a restaurar confiança e selar paz entre Hamilton e Mercedes

Chefão da Mercedes, Toto Wolff revelou que hospedou Lewis Hamilton em sua casa, na Inglaterra, algumas semanas após o término do campeonato passado, e que uma conversa entre ambos, na cozinha, foi suficiente para apaziguar os ânimos e restaurar a confiança do tricampeão na equipe prateada, depois da dura luta contra Nico Rosberg em 2016

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Não é nenhum segredo que a relação entre Lewis Hamilton e a Mercedes passou por momentos turbulentos em 2016, apresentando sinais, ainda que sutis, de certo desgaste. Um pouco por conta da grande rivalidade entre o inglês e Nico Rosberg, mas muito pelas falhas de confiabilidade do conjunto alemão ao longo da temporada e que prejudicaram a performance do tricampeão, que, em algumas situações, não poupou o time de críticas, como na troca de mecânicos, ou no episódio da quebra do motor, enquanto liderava a corrida na Malásia, ou ainda na disputa da prova decisiva em Abu Dhabi. No fim das contas, Hamilton teve de amargar a derrota para o companheiro de equipe. Porém, passado o dramático final de campeonato e o chocante anúncio da aposentadoria de Rosberg, foi uma conversa, na cozinha da casa de Toto Wolff, que ajudou a apaziguar a mágoa do britânico com a Mercedes.

 
Como forma de tentar restaurar a confiança do piloto na escuderia, o chefe Wolff convidou Lewis para passar uns dias em sua residência, na Inglaterra, algumas semanas após o encerramento da temporada. E admitiu que a convivência foi crucial para anular as tensões. "Quando a coisa fica muito intensa entre dois pilotos durante a temporada, às vezes algumas coisas permanecem não ditas e não discutidas", admitiu o austríaco em entrevista à revista inglesa 'Autosport'.
 
"O fim da temporada é um bom momento, é onde você pode colocar tudo sob a mesa, algumas das frustrações e dessas coisas não ditas. Então, é possível refletir sobre isso, analisar tudo, concordar ou não e descobrir o que realmente aconteceu. Nunca existe uma verdade definitiva para dizer que alguém está 100% certo ou 100% errado, por isso é importante encontrar a causa", completou.
Lewis Hamilton e Toto Wolff – papinho na cozinha resolveu 'tretas' de 2016 (Foto: AFP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
O dirigente reconheceu também que a conversa revelou situações em que ele e Hamilton poderiam ter conduzido de forma diferente nos últimos anos, mas que tais momentos entre pilotos e equipes são comuns, especialmente durante a disputa de um campeonato. "É um processo de aprendizagem", garantiu.

 
"Nico e Lewis, e o mesmo vale para Valtteri (Bottas), precisam compreender o enorme esforço que é feito por trás deles para que tenham os melhores carros. E eles precisam entender a responsabilidade que é representar uma marca e todas as pessoas que fazem parte dela."
 
"No entanto, às vezes, o DNA de um piloto de corrida o faz cuidar de si mesmo. Ao longo desses quatro anos, tivemos momentos raros de uma situação em que não havia esse alinhamento de interesse. Mas também podemos dizer que há coisas que poderíamos ter feito melhor. É importante perceber e desenvolver isso como personalidade", acrescentou.
Apesar do conturbado relacionamento entre seus dois pilotos nos últimos três anos, Wolff se disse orgulhoso do modo como a Mercedes lidou com os problemas e com o fato a extrema rivalidade que se criou entre eles. "De qualquer forma, isso fez parte do acerto da equipe. Nós tivemos essas duas personalidades, pilotos exigentes, e foi uma situação boa para a equipe, porque um pressionava o outro, e isso se refletia também no nosso trabalho."
 
"Parece que, apesar dos altos e baixos, das controvérsias, ainda foi uma época boa, uma fase bem-sucedida e um relacionamento bom", encerrou.
 
Após a saída de Rosberg, a Mercedes decidiu colocar Bottas como companheiro de Hamilton em 2017. No GP da Austrália, que abriu a temporada há pouco menos de duas semanas, a equipe prateada foi surpreendida por uma Ferrari veloz e acabou vendo a vitória de Sebastian Vettel. Lewis e Valtteri apenas completaram o pódio.
 
O GP da China, o segundo do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Xangai AO VIVO e em TEMPO REAL.
 
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube