Coluna Apex, por Andre Jung: Desordenação motora

Com a conta encerrada, resta pouca coisa para conferir na reta final de campeonato. A disputa pelo vice já virou uma miragem para Sebastian Vettel, e quem será o quarto colocado não é assunto para empolgar

Com a conta encerrada, resta pouca coisa para conferir na reta final da F1. A disputa pelo vice já virou uma miragem para Sebastian Vettel, e quem será o quarto colocado não é assunto para empolgar.
 
Claro que o hat-trick de Nico Rosberg, que fez a pole, a melhor volta e venceu, alimenta a esperança de vermos Lewis Hamilton fora da zona de conforto em 2016. O alemão, se não tem o talento e o carisma de seu colega, também não é um perdedor conformado. Diante da possibilidade de mais uma temporada dominada pela Mercedes, é melhor torcer para vê-lo mais vezes como no GP do México.
 
Em meio ao panorama morno das favas contadas, o assunto que mobiliza atenções é o destino da Red Bull. Enquanto os bastidores fervem em conversações, nada de concreto emana para aplacar a fúria do relógio que insiste em nos aproximar do próximo ano.
 
A questão não é nada fácil. Arrogantes, os líderes da Red Bull sempre alimentaram uma relação tensa com a Renault. Mesmo durante os quatro anos de reinado de Vettel, certo desdém sempre esteve presente. Convictos de que ninguém é capaz de desafiar seus chassis, os dirigentes deixam as culpas no colo do fornecedor do propulsor, que pouco tem a ganhar ao empurrar a equipe. Se ela vence, é porque seu chassi é espetacular. Se ela perde, é porque a unidade de potência não é do mesmo nível.
 
Portanto, é fácil compreender as reticências de todos os fabricantes quando o assunto é equipar os Red Bull. Talvez convencido de que com seus recursos não seria difícil resolver o problema da motorização, Dietrich Mateschitz largou o pombo que tinha na mão e os outros estão voando muito alto.
(Ilustração: Marta Oliveira)
A queda de braço entre as montadoras e a FIA, que busca de todas as formas quebrar a rigidez do regulamento quanto às unidades de potência, deve ter uma solução. Nos próximos capítulos, se não houver acordo para 2016, com a possível saída da Red Bull por ausência de motorização decente, podemos prever uma revolução para 2017.
 
O México foi muito caloroso, dando pista (não resisti) de que a F1 ainda tem jeito. A corrida foi sem graça, mas a festa foi contagiante. Lembrei-me dos primeiros anos em Interlagos.
 
A briga dos finlandeses equilibrou e acho que vai ficar por isso mesmo. As duas batidas tiveram dinâmicas muito parecidas e eles já podem ficar quites. 
 
Mas, de todo modo, vai ser alguma coisa para se acompanhar nas duas corridas que encerram o campeonato.
 
Enquanto isso… 
 
…apagado, Felipe Nasr volta a ser dominado por Ericsson … 
 
…com pouca quilometragem, o jovem americano Alexander Rossi vem dominando amplamente Will Stevens, cotado para renovar com a Manor…
 
…os bastidores do GP do Brasil devem ser palco de muitas rodadas de negociações …
 
…desautorizado por Toto Wolff, Niki Lauda não deve permanecer na Mercedes.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube