Com “Racing Point em outra liga”, Sainz e Norris creem: Hungria reflete nível da McLaren

Lando Norris obteve o oitavo lugar do grid do GP da Hungria, classificando-se uma posição à frente do companheiro de equipe, Carlos Sainz. A dupla ressaltou a força da Racing Point, a melhora da Ferrari e a presença de Max Verstappen à frente no grid e compreendem que o sábado mostra o quadro real da McLaren na ordem de forças da F1

Qual é a real ordem de forças entre as equipes da Fórmula 1? O terceiro fim de semana de GP da temporada mostra uma Mercedes absoluta e competindo praticamente sozinha, como neste sábado (18), quando Lewis Hamilton foi soberano ao conquistar a pole do GP da Hungria e Valtteri Bottas terminar em segundo, 0s107 atrás do hexacampeão. Em seguida, a Racing Point, com a ‘Mercedes rosa’, se apresenta como a segunda melhor equipe ao depois de ter colocado Lance Stroll e Sergio Pérez em terceiro e quarto no grid magiar. A Ferrari, depois de dois finais de semana difíceis na Áustria, deu sinais de franca evolução e conseguiu monopolizar a terceira fila com Sebastian Vettel e Charles Leclerc. Depois de Max Verstappen, que não passou em sétimo no grid com a Red Bull, aparecem então os carros da McLaren: Lando Norris vai largar em oitavo, logo à frente de Carlos Sainz.

No primeiro fim de semana do campeonato, Norris garantiu o quarto lugar do grid do GP da Áustria, que virou terceiro depois de punição imposta a Hamilton. Sete dias depois, foi a vez de Sainz obter, debaixo de chuva e de uma classificação caótica, o terceiro lugar no alinhamento inicial do GP da Estíria. Foi a melhor sessão classificatória da McLaren desde o GP da Inglaterra de 2014.

Carlos Sainz entende que a McLaren “está onde deve estar” na Hungria (Foto: McLaren)

Desta vez, contudo, o sentimento entre os pilotos do time de Woking nem de longe beira o êxtase vivido no Red Bull Ring. Com os pés no chão, Sainz e Norris entendem que a performance obtida até agora no fim de semana em Hungaroring é a real.

“Onde estão nossos dois carros no momento é onde nós estamos”, disse Sainz pouco depois da sessão deste sábado. “Com as duas Ferrari, a Red Bull e as duas Racing Point em outra liga. Eles estão mais perto da Mercedes do que nós, então é muito difícil batê-los”, admitiu o espanhol, ciente do tamanho do poderio da ‘Mercedes rosa’.

“Também estamos sofrendo, então é uma combinação das equipes melhorando mais que o esperado e outras piorando”, salientou Carlos, que revelou dificuldades na pilotagem do MCL35 em Hungaroring. “Particularmente, ainda não tenho a sensação do carro. O último setor tem sido bem difícil para mim em todo o fim de semana. Ainda não sabemos por que não temos ritmo”, disse.

Lando Norris, por sua vez, evitou falar sobre o dia em tom de lamentação. Mas revelou que esperava ter uma performance ligeiramente melhor.

“Não vou dizer que hoje foi ruim. Nós estamos um pouquinho além de onde esperávamos estar neste fim de semana”, afirmou o terceiro colocado no Mundial de Pilotos em entrevista à emissora britânica Sky Sports.

Desta vez, Norris ficou longe de um lugar entre os cinco primeiros do grid (Foto: McLaren)

O prodígio endossou o discurso do companheiro de equipe. “Está claro que a Mercedes está em outra liga, como sempre. A Racing Point aparece em forma muito parecida. A Ferrari está de volta para onde deveria estar, eles fizeram um trabalho muito bom hoje e têm um carro melhor que o nosso, especialmente aqui”, concluiu.

Neste domingo, o Briefing entra ao vivo às 9h (Brasília, GMT -3) o pré-corrida do GP da Hungria de F1 com análise da classificação e as últimas informações antes da largada da terceira etapa do Mundial 2020. Inscreva-se no canal do GRANDE PRÊMIO no YouTube e ative as notificações.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube