Com reclamação e frase sobre “brasileiro”, Verstappen reedita rusga com Massa iniciada há quase dois anos

O novo desentendimento entre Max Verstappen e Felipe Massa foi uma das coisas que mais chamaram a atenção no sábado de classificação para o GP do Bahrein. Verstappen foi fundo ao dizer que Massa foi desrespeitoso e que não adianta reclamar com um brasileiro. Há quase dois anos, em 2015, houve a primeira troca de farpas - iniciada por Felipe após uma batida que o piloto veterano considerou perigosa no GP de Mônaco. E até o pai de Max se envolveu

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A polêmica do último sábado (15) movimentou o fim de semana do Bahrein, mas não foi a primeira vez que a relação entre Max Verstappen e Felipe Massa foi foco de uma discussão pública. Muito antes do agora vencedor de corrida da F1 Verstappen, piloto da grande Red Bull, reclamar da falta de respeito de Massa e concluir afirmando que não adianta ter expectativas com um brasileiro, o então novato Max, da pequena Toro Rosso, não teve papas na língua para responder o veterano em 2015.

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
A história do Bahrein ainda não teve resposta de Massa. Verstappen, pouco depois do treino classificatório, declarou que foi atrapalhado por Felipe. Segundo o relato do jovem piloto, a última volta foi prejudicada por Massa ter mergulhado à frente dele e diminuído a velocidade. A pergunta seguinte dos jornalistas foi direta, se agora ele iria tentar conversar com o veterano. "Ele é brasileiro, então não tem muito o que discutir". E pediu respeito.

 
Apenas a última etapa do que começou em maio de 2015. Naquele momento, diferente de agora, foi Massa quem deu o primeiro tiro. O piloto da Williams destacou os perigos, segundo ele, de ter um menino de 17 anos no grid da F1 após o acidente que o holandês causou – e acabou envolvendo Romain Grosjean – durante o GP de Mônaco daquele ano. 
 
"Isso mostra que talvez a experiência conte na F1 e acho que esse tipo de acidente pode ensinar muito. Eles precisam controlar melhor esse tipo de coisa porque é muito perigoso. Ele teve sorte de não se machucar. Ele poderia ter saído muito ferido depois do que aconteceu", disse na ocasião.  "Foi muito perigoso porque ele só tem 17 anos. Se ele se machucasse, todos iriam falar sobre isso e questionar a razão para ter dado uma licença para alguém que tem 17 anos e fazendo esse tipo de coisa".
Max Verstappen olha Felipe Massa durante coletiva no Brasil em 2015 (Foto: F1)
Duas semanas depois, os dois foram colocados lado a lado na coletiva oficial da FIA no Canadá. Massa foi questionado novamente sobre o que havia afirmado em Monte Carlo – e não voltou atrás, pelo contrário. "Eu disse depois da corrida que ele precisava ser penalizado, porque o que ele fez estava errado. Disse que se você tem 17 anos, faz algo assim e não é punido, não aprende. A FIA precisa ser rígida. Não mudo de ideia. É preciso obedecer às regras." 
 
Então Max colocou as asas de fora. Lembrou o acidente que Massa havia tido com Sergio Pérez exatamente no Canadá em 2014. "Agora todo mundo se acha no direito de falar algo, mas você deveria olhar para o que aconteceu com você no ano passado", alfinetou. No fim das contas, Massa disse que a colisão com Pérez fora diferente e Max reafirmou que faria da mesma forma caso voltasse ao Principado.
 
Parecia que o caso estava encerrado – até alguns dias depois. Aí o pai de Max e ex-piloto da F1, Jos Verstappen, entrou na discussão. Em coluna escrita para o jornal holandês ‘De Telegraaf’, Jos falou que a reclamação era "típica de Massa" e que o vice-campeão mundial de 2008 "está sempre choramingando sobre os outros". Terminou dizendo que os 34 anos que Massa tinha à época passavam mais negativamente que os 17 de Verstappen. 
 
Ao 'UOL Esporte', Massa resolveu rebater no domingo após a prova com a seguinte frase: "Eu falei para ele hoje: 'Tome cuidado com o que você fala porque você vai ter que ir para o Brasil correr lá. Cuidado com o que você fala'. Sem dúvida, não foi certo falar dos brasileiros sem nem saber do que ele estava falando."

Aí vieram as desculpas de Verstappen, via Facebook, na segunda-feira. Com o acréscimo incrível de Nelsinho Piquet apoiando o holandês e pedindo para que não se preocupasse com a "inveja".

 

PADDOCK GP #73 DISCUTE F1, MOTOGP E INDY E FAZ PRÉVIA DO GP DO BAHREIN

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube