F1

Com xeque-mate estratégico, Hamilton passa Verstappen e vence na Hungria

Max Verstappen fez uma grande pilotagem e parecia ter o GP da Hungria sob controle. Só que nem uma atuação grandiosa é garantia de sucesso contra Lewis Hamilton e Mercedes: ao fazer uma parada extra, o britânico encaminhou o triunfo

Grande Prêmio / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
Era para ser o dia de Max Verstappen. O holandês liderou desde o começo, mostrando ritmo forte e se portando como gente grande. Só que nem uma pilotagem madura é garantia de vitória sobre Lewis Hamilton. O britânico, apoiado por uma estratégia cirúrgica da Mercedes, ultrapassou o holandês nas voltas finais e assegurou a vitória no GP da Hungria desde domingo (4).
 
A vitória da Mercedes foi construída na base dos pneus médios. A equipe alemã chamou Hamilton para um segundo pit-stop, sem dar tempo à Red Bull para reagir. O holandês foi até o fim com duros gastos e, mesmo com ritmo forte, acabou superado na volta 67 de 70. Era o último capítulo de um drama que terminou com Hamilton no alto do pódio.

Sebastian Vettel conseguiu a última vaga no pódio. O alemão passou a maior parte do tempo atrás de Charles Leclerc, mas fez render uma estratégia alternativa da Ferrari. O alemão correu a segunda metade da prova com pneus macios, que renderam bem mais do que os duros de Leclerc. Isso compensou a decisão de deixar o alemão com pneus gastos por 15 voltas além do necessário.
Lewis Hamilton venceu (Foto: Mercedes)
Carlos Sainz Jr. surgiu em quinto, novamente vencendo a corrida particular do pelotão intermediário. Pierre Gasly, novamente muito distante de Verstappen, terminou em sexto. Kimi Räikkönen foi sétimo, com Valtteri Bottas em oitavo. Lando Norris e Alexander Albon fecharam a zona de pontos.

O resultado ruim de Bottas começa a se explicar já na largada. O finlandês se envolveu em dois toques na largada, primeiro com Hamilton e depois com Leclerc. O combo danificou a asa dianteira, forçando um pit emergencial. O finlandês caiu para o fim do grid, conseguindo recuperar apenas um resultado na zona de pontos.
 
A F1 parte agora para as férias de agosto. São três semanas de descanso para equipes e pilotos antes do GP da Bélgica, no fim do mês.

Saiba como foi o GP da Hungria de Fórmula 1

Max Verstappen finalmente largou bem e sustentou posição, maximizando a vantagem da pole-position. Logo atrás, tudo estava em aberto: Lewis Hamilton largou um pouco melhor do que Valtteri Bottas, o que significou chegar ao fim da reta lado a lado.
 
Foi a receita do desastre para Bottas. Além de levar uma ultrapassagem linda de Hamilton por fora na curva 2, o finlandês foi tocado na curva 3. O pneu traseiro de Lewis tocou a asa dianteira de Valtteri, que ficou danificada e chacoalhando. Na curva seguinte, um toque ainda mais forte de Leclerc piorou a situação. O monegasco ganhou a posição ainda na primeira volta, com o #77 também perdendo para Vettel no giro seguinte.
O momento do toque entre Lewis Hamilton e Valtteri Bottas (Foto: Reprodução/TV)
Verstappen, Hamilton, Leclerc, Vettel, Bottas, Sainz, Norris, Räikkönen, Gasly e Grosjean formavam a zona de pontos ao fim da segunda volta. Só que isso estava em vias de mudar, já que a Mercedes precisou chamar Valtteri para um pit emergencial na sexta volta. A equipe estava um pouco hesitante, mas não havia outra opção: o déficit de desempenho na comparação com Hamilton já estava na casa de 3s por volta.
 
Bottas voltou dos boxes em último e praticamente condenado a fazer duas paradas. Considerando a dificuldade que é ultrapassar em Hungaroring, a briga pela vitória do finlandês virou uma briga por pontos.
 
Passadas dez voltas, ficava claro que a briga pela vitória era entre Verstappen e Hamilton. Os dois primeiros eram separados por 2s2, enquanto Leclerc ficava em terceiro com déficit de aproximadamente 8s.

Com a corrida ainda em banho-maria, Bottas ficava responsável pelas ultrapassagens. O finlandês começou a ousar contra os pilotos do fundão, inclusive batendo rodas com Stroll na briga pelo 18º lugar.
 
Só que Bottas não era o único piloto de ponta vivendo um dia ruim. Gasly seguia em oitavo, sem ação contra Räikkönen. A situação lembrava o GP da Áustria, quando Verstappen venceu e deu volta no companheiro de equipe.
Max Verstappen cruzou a linha de chegada em segundo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Ação, entretanto, era algo que não faltava na equipe B da Red Bull. Kvyat mergulhou contra Albon em briga que valia o 12º lugar e, depois de quatro curvas quase se tocando, tomou a posição. O russo ficava em vantagem e na cara do gol em termos de zona de pontos.
 
Isso enquanto o ciclo de pits começava a esquentar. Pérez veio aos boxes na volta 20, antecipando a parada dos demais. O mexicano vinha em 11º e ganhou a posição de Grosjean, então décimo, que demorou um pouco mais para vir aos boxes. Era o jeito de passar, já que ultrapassagem na pista seguia improvável, vide Bottas preso atrás de Ricciardo há quase dez giros.
 
Na volta 26, a Red Bull agiu. Verstappen veio aos boxes para colocar pneus duros, antecipando a parada de Hamilton. Pelo rádio, a Mercedes avisou que era ‘Hammertime’ – acelerar o máximo possível para tentar o ‘overcut’ contra Max.
 
Verstappen tinha retardatários pela frente, mas não parecia problema. O holandês começou a girar mais rápido do que Hamilton, o que criava situação confortável. Dito e feito: Lewis parou seis voltas depois, na 32, e voltou 5s5 atrás. Isso ainda com um pit horrível da Mercedes, de 4s, colaborando.
 
Quem também estava colaborando com os rivais foi a McLaren. A equipe britânica fez parada ruim com Norris, que perdeu posição para Gasly e Räikkönen. Ao fim do ciclo de pits, o jovem piloto estaria em oitavo.
Sebastian Vettel surpreendeu ao conseguir um pódio no fim (Foto: Ferrari)
Na frente, tudo acontecia. Hamilton descontou a vantagem de 5s de Verstappen em um piscar de olhos, ficando só 0s5 atrás em questão de duas voltas. O que era para ser um momento de administrar vantagem para Verstappen passava a ser uma briga aberta.
 
E assim foi na volta 39. Verstappen viu Hamilton tentar passar por fora na curva 1 e na 2, sem sucesso. Parecia o fim do ataque, mas uma tentativa por fora na 4 quase deu certo. Lewis precisou recolher ao escapar para a curva de escape, voltando a esperar na traseira de Verstappen.
 
Vettel veio aos boxes na volta 41. Como a parada demorou, deu para colocar pneus macios e tentar ir até o fim. O ciclo de pits estava quase encerrado e com Bottas em nono, apesar da incerteza sobre a necessidade de um segundo pit-stop.

Mais oito voltas e o panorama da corrida mudou novamente. A Mercedes aproveitou a enorme vantagem sobre a Ferrari de Leclerc, terceiro, e chamou Hamilton aos boxes. O britânico voltou 20s atrás, mas com macios. O ritmo foi imediatamente melhor. Como Max precisaria dar outra volta com médios gastos, um pit significaria voltar atrás de Lewis. Desse jeito, a Red Bull optou por manter Verstappen com pneus velhos e torcer pelo melhor.
Valtteri Bottas salvou apenas um oitavo lugar (Foto: Mercedes)
Quem também fez um segundo pit foi Bottas. Preso em nono, o finlandês apostou em médios novos. O objetivo era ir atrás do quarteto Sainz, Gasly, Räikkönen e Norris. Depois de passar Kvyat e Pérez sem dificuldades, parecia possível.

Quem também tornava as coisas possíveis era Lewis Hamilton. O britânico encontrou ritmo com pneus macios e logo começou a tirar 1s por volta contra Verstappen. Depois, mais de 1s. A Red Bull apostava tudo na capacidade de defesa do holandês.
 
Só que nem isso seria capaz de possibilitar a vitória. Com pneus melhores, Hamilton conseguiu passar por fora na curva 1, assegurando uma nova vitória.

F1 2019, GP da Hungria, Hungaroring, Resultado Final:

1 L HAMILTON Mercedes 70 voltas  
2 M VERSTAPPEN Red Bull Honda +17.796  
3 S VETTEL Ferrari +1:01.433  
4 C LECLERC Ferrari +1:05.250  
5 C SAINZ JR McLaren Renault +1 volta  
6 P GASLY Red Bull Honda +1 volta  
7 K RÄIKKÖNEN Alfa Romeo Ferrari +1 volta  
8 V BOTTAS Mercedes +1 volta  
9 L NORRIS McLaren Renault +1 volta  
10 A ALBON Toro Rosso Honda +1 volta  
11 S PÉREZ Racing Point Mercedes +1 volta  
12 N HÜLKENBERG Renault +1 volta  
13 K MAGNUSSEN Haas Ferrari +1 volta  
14 D RICCIARDO Renault +1 volta  
15 D KVYAT Toro Rosso Honda +2 voltas  
16 G RUSSELL Williams Mercedes +2 voltas  
17 L STROLL Racing Point Mercedes +2 voltas  
18 A GIOVINAZZI Alfa Romeo Ferrari +2 voltas  
19 R KUBICA Williams Mercedes +3 voltas  
20 R GROSJEAN Haas Ferrari   NC
           
VMR M VERSTAPPEN Red Bull Honda 1:17.103 Volta 69
           
REC M VERSTAPPEN Red Bull Honda 1:14.572 03/08/2019  
MV M VERSTAPPEN Red Bull Honda 1:17.103 04/08/2019  


Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.